Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quarta-feira, janeiro 03, 2007

962. A execução de Saddam Hussein (2)

Sempre tive imensa dificuldade em digerir que seja o Estado, o "nós", que, sem face, coloque uma corda num pescoço de um homem. Como nada é preto ou branco tenho que, neste caso em concreto, subalternizar a minha posição quanto à pena de morte em relação às consequências políticas - mediáticas? - da execução.

Independentemente de concordarmos com a pena de morte e de como a classificamos (retrocesso civilizacional, bárbaro, justo, aceitável) o grande problema político e social desta execução acaba por ser, como seria de esperar numa sociedade cada vez mais mediática, a divulgação dum vídeo de baixa qualidade da execução. Em vez de discutir o acto em si a preocupação das administrações - principalmente a iraquiana e americana - é discutir como é possível, como se o acto só passe a ser horrendo quando é transmitido sem edição, que alguém tenha colocado à disposição do mundo o vídeo da execução.

Ninguém se pergunta porque é que o vídeo mexe com as entranhas? Porque não tem nenhum filtro nem nenhuma edição política ou jornalística e porque, afinal, mostra a execução tal como é, concretizando, crua. E sem esses filtros até parece algo bárbaro, não é? Não! Não parece, é. Mas o que é irónico é que não é a execução que está a criar esta ebulição - o acto per si é um retrocesso social mas de impacto controlado - mas sim o vídeo com direito a som que cria este frenesim que molesta as nossas consciências. Estaremos numa nova era em que a difusão rápida e simples da informação por parte de qualquer pessoa vai acabar com as notícias esterilizadas? E qual a consequência disso? Vamos ficar ainda mais indiferentes ou vamos finalmente controlar o que até agora só era revelado quando os arquivos eram abertos passadas umas décadas?

O "espectáculo" degradante a que todos assistimos - parece uma cena da Idade Média a que todos temos acesso com todos os detalhes - incomoda e criou um momento histórico lamentável: o desumano Saddam Hussein a ser executado duma forma tão desumana que parece que é o próprio o mandante da execução. Este momento histórico não é o acontecimento - infelizmente mais banal do que pensamos - mas as imagens do acontecimento que balançam, tal como Saddam no vídeo, entre o mau gosto e o grotesco.

Quando George W. Bush enviou uma mensagem épica para a imprensa - a informação é cada vez mais feita de imagens e palavras chave - a elogiar o acontecimento (segundo este, um marco em direcção à democracia) não estava à espera das imagens. De facto a execução de Saddam Hussein foi um marco mas discordo que em direcção à democracia. É um marco porque muitos, eu incluído, sentem vergonha de serem contemporâneos deste acontecimento. Ou em vez de acontecimento devia ter dito imagens? E interessa a distinção?

Tópico Relacionado: Grão de Areia no Universo: Saddam Hussein

Technorati Tags: ,

5 Comments:

  • At 11:30 da tarde, Blogger H. Sousa said…

    Caro amigo, só me ocorre uma única coisa: Bardamerda para a barbárie!

     
  • At 1:39 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Caro Henrique,

    Nada a acrescentar. O comentário fala por si e assino por baixo.

    Abraço e feliz ano de 2007

     
  • At 11:55 da manhã, Blogger O Raio said…

    Acho o problema do video secundário.
    O video só vem mostrar a realidade da saddamização da nossa sociedade.
    Depois disto é difícil criticarmos o Saddam sem envolvermos na crítica os dirigentes americanos e a maior parte dos dirigentes europeus.
    Estes fizeram uma declaração de circunstância para mostrar discordância e, em privado, foram ter com os americanos para abrirem uma garrafa de Champagne.
    É que o importante era calar Saddam pois ele sabia coisas a mais.
    O Saddam já foi um gajo porreiro apoiado por americanos, alemães, franceses, etc., principalmente quando metia o Khomeini do Irão na ordem e quando comprava tecnologia, letal ou não aos americanos, franceses, alemães, etc.
    O erro do Saddam foi só um, foi não ter imitado os dirigentes sauditas e, embora protestando contra a existência de Israel, não importunar este país.
    Não foi o que o Saddam fez, Saddam mostrou ser um perigo real para Israel e isso não se perdoa...

     
  • At 1:32 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Raio,

    O vídeo é obviamente secundário mas, neste momento, as imagens preocupam mais do que o acontecimento. Também é secundário quem está - ou não - a festejar esta morte.

    O grande problema actual é que o acontecimento e a ilustração deste através do vídeo dão uma machadada na reconciliação entre facções que vai perpetuar-se no tempo. As imagens e o som mostram claramente uma ausência, na execução, de qualquer intenção de justiça mas unicamente de vingança.

    Espero que o vídeo sirva para ajudar a demonstrar a inutilidade da pena de morte per si e que demonstre duma vez por todas que é um acto bárbaro.

    Abraço,

     
  • At 10:48 da tarde, Anonymous red said…

    Penso que mesmo com as imagens mostradas, não foi a barbárie que incomodou os senhores ocidentais e particularmente os americanos, o que os incomodou foi perceberem que os mesmos que executaram Saddam e rejubilaram com isso, são os mesmos que andam nas ruas de Bagdad e Bassorá a estropiar os americanos, ingleses e mais quem lhe apareça na frente, foi perceberem que quem esfrega as mãos com este chorrilho de asneiras americano é o Irão a quem o Iraque há-de cair nas mãos de bandeja se os Americanos não inverterem a sua politica. algo mais no blog "vermelho vivo"

     

Enviar um comentário

<< Home