Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quarta-feira, maio 25, 2005

(426) Sala de Cinema: Der Untergang – A Queda, Hitler e o Fim do Terceiro Reich



Realizador: Olivier Hirscbiegel
Elenco: Bruno Ganz, Alexandra Maria Lara

Confesso que fiquei arrepiado quando Bruno Ganz entrou na sala interpretando Hitler. Acho que a melhor maneira de descrever este filme é aproveitar esta sensação inicial porque ela arrastou-se pelo filme, aquele arrepio ao observar imagens que descrevem a história com tanto realismo. E Hitler era real e pelos vistos um homem cordial e afável mas que era, ao mesmo tempo, desprovido de compaixão enquanto Fuhrer. Não há julgamentos morais neste filme. Apenas há um retrato comovente e assustador dos últimos dias do Terceiro Reich.

Não é este filme ou qualquer outro que foi feito ou será feito que me vai ajudar a compreender como o homem (leia-se homem no sentido mais geral) foi capaz de tamanhas atrocidades. Mas este filme ajuda a dismistificar a ideia de que Hitler não era humano porque ele era um homem, não uma caricatura. E é melhor encarar Hitler desta forma. Não devemos relativizar a crueldade que o homem é capaz de ter se queremos evitar que a história se repita. E como explicar que a loucura dum homem tenha arrastado uma nação de homens e mulheres normais a cometerem tamanhas barbaridades? Acho que nunca vou conhecer a resposta...

Síntese da Opinião: Contar não é perdoar. Recomendo.

12 Comments:

  • At 7:50 da tarde, Anonymous C. Indico said…

    A Alemanha estava vergada ao DIKTAD.A moeda desvalorizava todos os dias,o desemprego era generalidade, a miséria era imenssa, o Estado quase não existia, os costumes em derrapagem absoluta,quase todos medrosos,afitos, famintos,enxovalhados na sua honra mais intima, cercados pela desordem publica, arruaça partidária na rua.Aparece um tipo que berra : vou pôr ordem nisto, acabaram-se os desempregados, podem dormir de porta aberta, não há partidos para ninguém, vou fazer casas e carros para os operários,etc,etc.Quando não resultou porque era impossível, disse a culpa é dos outros, temos que extreminá-los. Quem quer perder a segurança anterior ?
    Na minha freguezia há ums mil Hitlers.

     
  • At 10:56 da tarde, Blogger Pedro F. Ferreira said…

    Recomendo-te "Os Carrascos Voluntários de Hitler" de Daniel Jonah Goldhagen, editado pela Editorial Notícias. E também, "Heichmann em Jerusalém - uma reportagem sobre a banalidade do mal" de Hannah Arendt, editado pela Tenacitas.
    Vais ver que começas a compreender que o mal é muito, demasiado, banal e ilimitado. Abraço.

     
  • At 11:07 da tarde, Blogger Ricardo said…

    C. Indico...

    Apesar da analogia ser forte compreendo o que queres transmitir. É a demagogia e o populismo a pairar na política. Mas continuo a não compreender como se dá o passo seguinte que é matar milhares de pessoas a sangue frio com naturalidade.

     
  • At 11:09 da tarde, Blogger Ricardo said…

    hmémnon...

    Vou tentar ler as sugestões. Eu já li alguns livros com o ponto de vista dos judeus (O Pianista, Se Isto é um Homem, Trégua) mas confesso que começo a ganhar curiosidade em conhecer o outro lado e tentar compreender.

    Não gosto de pensar no mal como conceito. Parece-me redutor. Mas quem sou eu para ditar isso já que nem consigo começar a compreender certas atitudes do animal homem.

     
  • At 4:57 da manhã, Anonymous Guadalupe said…

    A História é contada pelos vencedores, dizem. O aparecimento da figura tenebrosa de Hitler foi fruto dum conjunto de circunstâncias económico-sociais, mas estará sempre associada ao extermínio dos judeus. Também gosto de ver "o outro lado" (passaram uns documentários interessantes na tv, sobre esse tema), e concordo contigo, Ricardo, quanto à perspectiva de não pensar no mal como conceito.
    Mas por mais que tente compreender, continuarei a ver essa figura como uma aberração da natureza humana, uma emanação do mal, e daí não sairei.. por mais "humanas" que tenham sido algumas situações ou fases, no plano pessoal e afectivo, por exemplo.

     
  • At 9:47 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Guadalupe...

    A questão não está na humanidade de algumas situações ou fases. O que importa reflectir é se o mal puro existe. A realidade é que Hitler, um conjunto alargado de oficiais e milhares de alemães cometeram actos ignóbeis. Hitler à distância e milhares a executar essas ordens. O que torna tudo confuso é que são pessoas iguais a nós, com mais ou menos traumas. Seríamos nós capazes de fazer o mesmo noutras circunstâncias. E o que leva um homem como Hitler (e muitos, mesmo muitos, outros) a sequer pensar em fazer determinadas acções?

     
  • At 11:48 da manhã, Blogger Armando S. Sousa said…

    Gostei muito de ver este filme.
    A realidade nua crua é que Hitler era um ser humano, do piorio, mas um ser humano e não qualquer marciano que apareceu pela Europa.

     
  • At 12:43 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Armando...

    Exactamente! Não era um marciano. É importante aceitar isso!

     
  • At 5:36 da tarde, Anonymous C. INDICO said…

    Algo do que disse no meu comentário anterior foram ecos do que na infãncia ouvi de colegas do meu pai, holandeses, que participaram em todo o processo.Diziam que todos sabiam o que ia acontecer, mas a França e a Inglaterra fecharam os olhos. Não houveram surpresas.Nem resistência.Isto talvez explique um pouco como foi tão longe.
    Por outro lado no Oriente, Japão,China,Coreia,Timor, Filipinas, também se faziam pilhas de doentes e feridos e éram queimados vivos, campos de comcentração(penso que foi a mãe do José Afonso que esteve em um durante 3 anos),Horrores iguais aos da Europa e passam quase despercebidos.
    A autor deste blog aconselho a alugar o filme cabaret com a Liza Minelli que ajuda a entender o começo do que Paulo II,disse não ser o MAL, mas a AUSÊNCIA DE DEUS.

     
  • At 6:21 da tarde, Blogger Ricardo said…

    C. Indico...

    São situações incríveis. Que alguns tenham ignorado a ameaça eu até compreendo, pior é compreender como é que milhares de pessoas fizeram algumas atrocidades de forma activa.

    Quanto ao filme já tive oportunidade de ver apesar de há muito tempo. É excelente.

    O mal acho um conceito redutor, como já tinha dito. Quanto ao resto aviso que sou agnóstico, hehe

    Abraço,

     
  • At 6:22 da tarde, Blogger Ricardo said…

    ah ... C. Indico ... tens blogue?

     
  • At 11:59 da manhã, Anonymous C. Indico said…

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

     

Enviar um comentário

<< Home