Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quarta-feira, maio 16, 2007

1150. O Legado do PSD


As eleições intercalares em Lisboa são o culminar do pior período de sempre do PSD como partido político ao serviço do país, um partido que tem um passado importante e que respeito. O legado deste partido para o país neste novo milénio é nefasto. Dois Governos da República em coligação com o PP em que o primeiro termina porque o Primeiro-Ministro aceita um cargo internacional e um segundo, totalmente diferente do primeiro, que só consigo classificar de sui generis e que nem um ano dura. Na Câmara de Lisboa são eleitos Santana Lopes e Carmona Rodrigues, o segundo vai para o Governo, depois o primeiro vai para Primeiro-Ministro, o segundo volta para a Câmara como Presidente, o primeiro volta para a Câmara, o segundo vai para vice, o segundo é o candidato do PSD, o segundo cai após dois anos e lança a capital em eleições intercalares. Está na hora do PSD reflectir sobre a melhor forma de servir o país porque, a bem da verdade, este tipo de serviço político ao país é bem dispensável, não honra o seu passado e a credibilidade conquistada ao longo de décadas.

Etiquetas:

4 Comments:

  • At 8:23 da tarde, Blogger O Profano said…

    "este tipo de serviço político ao país é bem dispensável, não honra o seu passado e a credibilidade conquistada ao longo de décadas."
    Pois se nem os cebibiliza a eles proprios, que crédito darão á nação e ao seu povo?
    Nenhum.
    Passámos por situações de uma inconstância política tremenda e isto só nos desonra como povo para além de nos prejudicar interna e externamente.
    Como nos olharão de "lá fora" quando um primeiro-ministro abandona as funções para as quais foi eleito para corresponder ao chamamento "europeu". Ele já sabia o que isso iria provocar.
    O segundo (Santana Lopes) caiu no erro da demasiada ambição que tem e não calculou bem o terreno em que se iria intrometer e é lógico, fizeram-lhe a "cama". Como neste momento especifico, o PSD não tem nonguém a fazer a "cama", teve de se sugeitar com os "independentes" do seu partido.

    É pena andarem a brincar aos politicos...

    Abr...Prof...

     
  • At 7:25 da manhã, Blogger H. Sousa said…

    A tiocracia tomou conta dos partidos todos. Mas nós, as bestas que lhes damos os votos e nos deixamos enganar pelos seus discursos, temos que aprender a identificar os trapaceiros a tempo. Mas eles "andem" por aí ainda e mudam de partido com a maior das facilidades, veja-se o Júdice que agora está no PS.
    Abraços

     
  • At 6:01 da tarde, Anonymous Fernando said…

    "não honra o seu passado e a credibilidade conquistada ao longo de décadas."

    Não me parece que tenha um passado credível e honrado do ponto de vista político, mas é apenas mais uma opinião.

     
  • At 10:55 da manhã, Blogger Samir Machel said…

    o agora josé manel da europa é o maior embuste dos últimos tempos em portugal.

     

Enviar um comentário

<< Home