Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

segunda-feira, maio 28, 2007

1170. Desorientação no Governo?


O Expresso colocou em destaque, na capa do semanário, uma pretensa desorientação no Governo. Não concordo nem com um dos exemplos avançados pelo semanário para demonstrar a tese mas acompanho a percepção que algo não vai bem. Era inevitável que o desgaste provocado por algumas medidas começasse a afectar o Governo e que a Presidência da União Europeia (a visita à Rússia já é um prenúncio da pouca disponibilidade que o Primeiro Ministro vai ter para os assuntos internos) provocasse problemas de coordenação mas acho que o problema é bem mais profundo. Quer se queira quer não o momento chave para perceber esta perda de gás e coordenação no Governo foi o começo da polémica com a licenciatura de José Sócrates. De repente José Sócrates perdeu a iniciativa política, parece estar em mera gestão do que já reformou, deixa a sensação que abdicou da coordenação do executivo e até a convicção e ambição que a sua voz fazia transparecer parece ter desaparecido. O Governo entrou, precocemente, numa fase de mera gestão de danos.

Após três Governos que não saíram da rampa de lançamento era importante que este Governo fosse acima da média e, infelizmente, parece perder gás a uma grande velocidade. Não quero fazer futurologia mas a fase crucial vai ser a pós-Presidência da União Europeia em que uma nova dinâmica tem que ser criada e acredito que uma remodelação ampla já deve estar nos planos do Primeiro Ministro. Mas, infelizmente, mesmo com uma remodelação, julgo que a dinâmica reformadora vai desacelerar e que, a partir da Presidência da UE, as regras dos ciclos eleitorais vão começar a influenciar todas as decisões do executivo.

Etiquetas:

4 Comments:

  • At 1:51 da tarde, Blogger O Raio said…

    A desgraça do Sócrates foi ter tido a maioria absoluta.
    Foi uma hipótese única de meter o país na boa ordem europeia, filha da boa ordem norte-americana.
    Correr com os funcionários públicos, privatizar explicita ou implicitamente tudo o que é possível privatizar e deixar o país de tal forma amarrado ba Leis, regras, etc., que o próximo Governo não consiga fazer marcha atrás.
    Estava tudo a correr tão bem... só que, a certa altura, Sócrates não deve ter ido tão longe como se pretendia e o ataque foi brutal, foi-se ao baú dos escândalos e, para já, pegou-se no da formação académica.
    Agora isto vai arrefecer um pouco por causa da presidência portuguesa seguida da Eslovena em que Portugal também participa.
    Mas no dia 1 de Julho de 2008, acabada a presidência Eslovena, vai atirar-se tudo contra o Sócrates. Coitado, vai ser feito em picadinho...

     
  • At 3:49 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Raio,

    Concordo com grande parte da tua análise mas com algumas nuances. Por exemplo não vejo nenhuma tendência privatizadora em grande escala, principalmente no que considero importante: SS, Saúde, Educação.

    Abraço,

     
  • At 11:32 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    pena de socrates e era....

     
  • At 12:17 da manhã, Blogger Pintinhas de Portugal said…

    José Socrates está como qualquer politíco em Portugal atulado em conflitos do foro da justiça, que é um proforme parecida com um rato que come o queijo enquanto o gato dorme. Depois tem à perna o CLERO e a (NOBREZA). O POVO é vassalo e escravo destes gorilas.

     

Enviar um comentário

<< Home