Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

domingo, maio 27, 2007

1168. Cenas Memoráveis da Sétima Arte (27): O sacrifício de Ripley







Alien 3 (1992 - David Fincher) é um regresso às origens, ao tipo de filmes que Ridley Scott idealizou (até Giger voltou a participar na concepção do Alien). É o mais negro dos três filmes mas problemas na produção impediram que o filme rivalize com o de Ridley Scott. Destaco a cena final do filme pelo seu simbolismo. Ellen Ripley (Sigourney Weaver), com uma rainha dentro de si, recusa a promessa de salvação por parte da "companhia" e sacrifica-se para tentar acabar com a espécie que a atormenta (Ripley chega a dizer ao Alien: "You've been in my life so long, I can't remember anything else"). Durante a queda em direcção à fornalha o Alien sai com violência do seu peito e, num gesto quase maternal, Ripley aconchega o recém-nascido e mantém-no junto a si rumo ao inevitável destino final. A forma gentil mas segura como Ripley trata o responsável pela sua morte nos momentos que antecedem a morte de ambos, numa cena de enorme duplicidade que mistura sentimentos de ódio e instintos maternais, é memorável.


Desafio todos os leitores deste blogue a contribuírem para esta rubrica (Cenas Memoráveis da Sétima Arte). Pode ser uma cena ou um pormenor, seja técnico ou de representação, do vosso filme favorito ou de um outro qualquer filme que, por alguma razão, emocional ou técnica, vos marcou. Basta uma pequena descrição da cena ou um pequeno apontamento que justifique a escolha, o nome do filme e, eventualmente, o vosso apelido e blogue. O mail é, como sempre, filhodo25deabril [at] gmail.com.

Etiquetas: ,

6 Comments:

  • At 1:56 da tarde, Blogger Luís Alves said…

    esta cena arrpia-me sempre que a vejo. tem uma carga religiosa e sacrificial muito forte! o primeiro filme que vi de David fincher

     
  • At 3:51 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Luís,

    Foi mesmo o primeiro filme de David Fincher mas foi algo atribulado. De qualquer forma acho que o filme não envergonha ninguém.

    Abraço,

    P.S. Não conhecia o teu blogue mas gostei.

     
  • At 8:34 da tarde, Blogger Nuno Guronsan said…

    Grande, grande trilogia! (o quarto filme, para mim, já não conta)

    A claustrofobia que só Fincher poderia ter criado. O "shoot-em-up" que de Cameron que marcaria toda uma geração de filmes posteriores. E tudo começou nos ambientes assustadores de Ridley Scott. Quando John Hurt serviu de incubadora para o pior de todos os nossos pesadelos. E através de toda esta epopeia, Ripley, sempre Ripley.

    Nota-se que amo estes filmes ou nem por isso?

    Um grande abraço, Ricardo.

     
  • At 8:38 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Nuno,

    Se não dissesses eu nem sonharia, só pelo comentário, que "amas" estes filmes. O quarto filme também está riscado da lista ;)

    Ao rever os filmes fiquei, mais uma vez, com a sensação que o primeiro filme joga num campeonato diferente dos restantes. É mesmo muito muito bom.

    Abraço,

     
  • At 9:06 da tarde, Blogger Flávio said…

    Gostei bastante deste terceiro filme, acho-o terrivelmente subvalorizado. E a cena final é magnífica.

     
  • At 9:08 da tarde, Blogger Flávio said…

    E já agora, risco também da lista o quarto filme, feito por um francês pretensioso e sem talento. Um alien mestiço coberto de toblerone derretido? Não me parece.

     

Enviar um comentário

<< Home