Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

segunda-feira, maio 21, 2007

1158. Doação de Sangue por Homossexuais (2)

Ainda sobre esta discussão surreal que foquei aqui quero reproduzir este comentário que foi transcrito pelo Max e que mostra bem o nível a que esta discussão já chegou: "Como alguém dizia no Blasfémias, se o homossexual for virgem, não há problema.". Não há outra palavra para definir esta discussão que não a palavra surreal.

18 Comments:

  • At 1:49 da tarde, Anonymous max said…

    o pior, amigo Ricardo, é que este comentário não foi proferido por um desses quaisquer anónimos que se pavoneiam blogoesfera fora largando barbaridades. Foi o próprio jcd, do Blasfémias, aquele blogue que gosta de se auto conotar com o Liberalismo mais vanguardista, que o escreveu.

    A ignorância aliada ao preconceito equivalem quase sempre a estupidez gratuita.

     
  • At 2:47 da tarde, Blogger Bruno Gonçalves said…

    Não sei porquê, mas este post parece ter um matiz ideológico. Deve ser do surreal.

     
  • At 3:38 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Caro Bruno,

    Esta não é uma questão ideológica nem deve tornar-se numa. Se achas que por criticar uma posição de determinada pessoa, que tem naturalmente uma determinada ideologia, que a questão de fundo torna-se ideológica então, segundo essa lógica, quando criticar um texto dum, por exemplo, comunista sobre críticas à arbitragem num jogo do Benfica esse mesmo tema, o da arbitragem, também passa a ser ideológico.

    Sinceramente não percebo porque é que esta questão causa tanta polémica. Enfim...

     
  • At 3:43 da tarde, Blogger Bruno Gonçalves said…

    Caro Ricardo,

    Julgo que percebeste onde querias chegar.

    "Sinceramente não percebo porque é que esta questão causa tanta polémica. Enfim..."

    Nem eu. Existem conceitos que fazem todo o sentido, como o de grupos de risco. Umas mentes muito preocupadas com algumas causas, que para aqui não deveriam ter sido chamadas, andam a fazer uma tempestade num copo de água. Enfim

     
  • At 3:50 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Bruno,

    É aí que discordamos. A utilização de grupos de risco já está abandonada há muito pelas políticas de saúde pública no combate à SIDA das organizações internacionais e parece que só sobram resquícios na nossa legislação. Tornar a questão do comportamento vs. grupo de risco uma questão política não tem sentido e, na minha óptica, ainda menos sentido tem utilizar o conceito de grupo de risco. Novamente, enfim...

    Abraço,

     
  • At 4:10 da tarde, Blogger Bruno Gonçalves said…

    "A utilização de grupos de risco já está abandonada há muito pelas políticas de saúde pública no combate à SIDA das organizações internacionais e parece que só sobram resquícios na nossa legislação."

    Tenho sérias dúvidas. Para qualquer acto médico, existem sempre grupos de risco. Sejam pelos malefícios para o doador, quer seja para aquele que recebe um determinado tratamento.

    "Tornar a questão do comportamento vs. grupo de risco uma questão política não tem sentido"

    Claro que não faz sentido. Uma coisa depende da outra.

     
  • At 4:23 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Bruno,

    Prevenção - ideias a reter:
    - Não existem grupos de risco, só comportamentos de risco;
    (http://www.medicosdeportugal.iol.pt/action/2/cnt_id/749/)

    Se procurares em diversos sítios médicos ou de organizações de combate à SIDA vais encontrar esta frase repetida à exaustão. Em alguns blogues vais encontrar outra definição ;)

     
  • At 4:41 da tarde, Blogger O Profano said…

    O que devia ser analisado e posto em questão é a ( o grau de ) Promiscuidade e não o Sexo dos dadores.
    O que se está a fazer com este tipo de atitudes, eu apelido de Racismo Sexual...

    Abr...Prof...

     
  • At 4:43 da tarde, Blogger Bruno Gonçalves said…

    Desculpa, mas a frase está errada. Sejam os homossexuais um grupo de risco ou não, independentemente dessa discussão, existem efectivamente grupos de risco ao nível da prevenção.

     
  • At 7:26 da tarde, Anonymous Fernando said…

    O que diferencia um homossexual de um heterossexual, é que o primeiro tem como parceiros sexuais alguém do mesmo sexo e o segundo pessoas diferentes do seu sexo. O que é que isto tem a ver com grupos de riscos. Não há grupos de riscos, há comportamentos de risco, sejam praticados por homo ou hetero. Esta discussão é destituída de razoabilidade. Apenas preconceitos, morais, éticos, "políticos/ideológicos" dos do costume, podem animar um debate desta natureza.

     
  • At 11:37 da tarde, Anonymous max said…

    Súmula conclusiva de algumas posições proferidas nesta caixa de comentários ( e em muitas outras blogoesfera fora):

    Homossexuais são promíscuos e perigosos. Heterossexuais não são.

    Eh pah, se o preconceito não é evidente, se isto não é homofobia...então, muito francamente, estamos conversados.

     
  • At 12:33 da manhã, Blogger Bruno Gonçalves said…

    "Eh pah, se o preconceito não é evidente, se isto não é homofobia...então, muito francamente, estamos conversados."

    Estamos. Está visto que não é evidente.

     
  • At 11:00 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Max,

    Considero que esta questão está a ser utilizada com algum preconceito, até à luz do que organizações internacionais sugerem que seja o discurso utilizado na questão (o abandono dos grupos de risco). Sendo assim considero que o entendimento do Bruno não é o correcto mas, até porque o conheço bem e porque percebo que critérios quer utilizar, não vou ao ponto de considerá-lo homofóbico, porque sei que não é. Realço, porém, que neste tema devíamos abandonar certas linhas argumentativas que em nada favorecem o combate às doenças transmissíveis por sangue e a percepção do assunto.

    Abraço,

     
  • At 12:27 da tarde, Blogger Samir Machel said…

    Se querem falar de grupos de risco há dois: os que têm sexo e os que nao tem.

    Como até ao longo da história até os monges e padres nao se têm mantido celibatários a coisa torna-se particularmente complexa.

    Se quiseres falar de grupos prioritários de intervencao podemos comecar por quem teria mais relacoes sexuais e desprotegidas.

    No entanto, dado a escala do problema só há uma política a adoptar na prevencao da SIDA e outras doencas. Preservativo sempre, inclusivé dentro do casamento.

     
  • At 12:37 da manhã, Blogger O Raio said…

    No post anterior sobre este tema dei um exemplo que parece não ter sido bem compreendido.
    O problema é que um grupo social é um conjunto de pessoas que tem um dado comportamento.
    Isto não tem nada a ver com grupos rácicos, por exemplo.
    E, de uma forma geral, homosexuais são indivíduos que têm comportamento homosexual.
    E, eu que tenho amigos homo e hetero sexuais noto que os homosexuais são, de uma forma geral, muito mais promiscuos (sexualmente) do que os heterosexuis.
    Claro que o lobby gay (que eu não acredito que exista mas que actua na sociedade) tenta fazer passar a mensagem de que os homosexuais são iguais aos heterosexuais na promiscuidade, o que de nenhuma forma é verdade.

    E, digo isto com todo o à vontade e sem nenhum preconceito. Eu próprio, heterosexual, sou filho da geração do sex, drugs and rock and roll e sexualmente sou muito mais promiscuo do que grande parte dos homosexuais e, se não sou mais, é por falta de oportunidades e de tempo...

    Assim, claro que pertenço a um grupo de risco, grupo esse que devia ser detectado se quisesse dar sangue e impedido de dar sangue.

    Creio que é o que se faz.

    No caso dos homosexuais, tendo em atenção de que segundo as teorias oficialmente aceites, um indivíduo contaminado com o HIV leva uns bons três meses a desenvolver anti-corpos que permitam detectar a infecção, é natural que tendo em atenção os elevados níveis de promiscuidade sexual entre os homosexuais se rejeitem os dadores homosexuais.

    Eu confesso que acho os homosexuais muito divertidos.

    Passam o tempo a querer ser iguais aos heterosexuais, é a adopção de crianças (quer isto seja ou não prejudicial para elas), é o casamento, é o ser dador de sangue é o sei lá que mais e, quando estamos quase convencidos fazem uma parada do orgulho gay para mostrar que são diferentes...

     
  • At 7:21 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Raio,

    Sem comentários.

     
  • At 8:11 da tarde, Blogger O Raio said…

    Caro Ricardo,

    Sem comentários aos teus sem comentários...

    Um abraço

     
  • At 9:26 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    o homossexualismo é um disturbio , uma parafilia, deveria ter tratamentos para essa doença, mas a mídia os direitos humanos, o governo estão passando para a população a mensagem de que o homossexualismo é uma coisa natural, simples e não uma patologia.
    Eu não gostaria de receber sangue de um homossexual, como deveria ter uma lei contra isso.Onde está a saude pública

    obs:eu deveria ter nascido no Irã, onde não há homossexuais.
    VIVA Mahmoud Ahmadinejad , E SOBRE ESSA LEI DE HOMOFOBIA LEIA O ARTIGO DA CONSTIUIÇÃO SOBRE O LIVRE PENSAMENTO DOS CIDADÃOS.

     

Enviar um comentário

<< Home