Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

terça-feira, fevereiro 15, 2005

(326) A Madeira e os Fundos Comunitários

O Governo Regional da Madeira não capta a minha simpatia. Foi, é e será alvo das minhas viscerais críticas pelo modelo de desenvolvimento adoptado, pela Democracia sui generis que implementa e, principalmente, pela mentalidade que acarinha e promove na Madeira. Mas tenho que ser justo e elogiar o que o Governo Regional chefiado por Alberto João Jardim faz de bom.

Quem conhece a Madeira sabe que, independentemente da análise à situação financeira actual e ao modo como os financiamentos são garantidos, esta região é uma das regiões que mais se desenvolveu nas últimas três décadas. O desenvolvimento não é sustentado mas a qualidade de vida tem melhorado (multiplicação dos espaços de lazer, renovação das cidades e dos seus espaços públicos) e as distâncias encurtaram-se abruptamente (os túneis, pontes e vias rápidas crescem a um ritmo imparável).

Uma das razões para este forte investimento público vem explicado no suplemento de Economia do Público do dia 14 de Fevereiro. A "Madeira é a região com maior taxa de execução dos fundos comunitários" sendo que o valor dos projectos aprovados até finais de 2004 já é superior às ajudas que o terceiro Quadro Comunitário de Apoio (QCA III) tem destinados para a Região Autónoma da Madeira (2000-2006). Segundo o Público a taxa de execução é de 101,5% absorvendo fundos que outras regiões não aproveitam (por exemplo o Alentejo tem uma taxa de execução de 77,5% e o Algarve de 68,9% sendo a média nacional de 83,4%). Portugal executou cerca de 15,9 mil milhões dos 19,1 mil milhões de euros disponibilizados.

Quero ainda destacar que apesar da despesa aprovada ser de 101,5% da dotação inicial da Madeira, até à data ainda só foi entregue 56,6% dos valores aos promotores dos projectos. A nível nacional, só o programa da Sociedade de Informação tem melhor taxa de execução (103,1%) que o programa do QCA III para a Madeira. A pior taxa de execução é o das Acessibilidades e Transportes (53,8%) o que mostra bem a paralisia do investimento público em Portugal nos últimos anos.

O que vou defender é uma opinião pessoal porque não posso comprovar a correlação entre Região Administrativa e taxa de execução do investimento. Acho que estas taxas de execução jogam a favor da Regionalização (ou pelo menos da descentralização) já que parece que as regiões administrativas podem ser úteis na organização regional do investimento. Mas uma Regionalização com um estatuto diferente das Regiões Autónomas da Madeira e Açores com uma fiscalização democrática mais forte, com limitação dos mandatos e mais poderes ao Tribunal de Contas...

* Tópicos Relacionados:
Memórias do Filho do 25 de Abril - Madeira

6 Comments:

  • At 4:06 da tarde, Anonymous BlueShell said…

    Pode parecer estranho mas acho que estou, de novo, apaixonada...
    Pelos sintomas...
    Jinho, BSHell

     
  • At 4:56 da tarde, Blogger O Raio said…

    Eu francamente não gosto do Alberto João Jardim.
    Mas reconheço que entre o Sócrates e o Santana prefiro o Jardim para Primeiro Ministro.
    O gajo é um chato de todo o tamanho e, nem imagino, o que é que aconteceria ao Durão com ele como Primeiro Ministro. Devia por a Comissão europeia de pantanas.
    É que na tua análise esqueces uma coisa muito, muito importante.
    Para ir buscar fundos comunitários é necessário por dinheiro. Os fundos nunca financiam a 100%. É necessário recursos orçamentais para ir buscar o tal fundo que financia em 50% ou mesmo em 80%, depende.
    O problema é que o Jardim é um chato e obtem todo o dinheiro de que precisa podendo portanto ir buscar os fundos todos a Bruxelas. outras regiões não o podem fazer.
    No caso da regionalização, esta só teria o efeito que sugeres, se abrangesse todo o território nacional e fosse tão política como a da Madeira.
    O efeito, claro, seria que o estado teria de apresentar a Bruxelas umas contas totalmente furadas pelo "despesismo" das tais regiões.
    Em princípio talvez nem fosse má ideia. Ao contrário do que nos pretendem impingir o despesismo gera muitas vezes riqueza...

     
  • At 5:23 da tarde, Blogger polittikus said…

    Não gosto particularmente dele, mas reconheço a eficiência da sua política economica...

     
  • At 11:42 da tarde, Blogger Luis Silva said…

    Só quem depende da politica pode estar preocupado.
    São sempre os mesmos "ratos do poleiro" que aparecem nas campanhas um pouco por todo o país. Maior parte deles são funcionários do Estado. São ratos que chegaram onde chegaram por serem militantes do partido A ou do partido B e que têm medo de perder o lugar caso o seu partido não ganhe.

     
  • At 11:24 da manhã, Blogger O Micróbio said…

    Faço minhas as palavras do Pollitikus...

     
  • At 12:08 da tarde, Blogger pindérico said…

    O caso Madeira é para mim o exemplo acabado do que de bom e de mau podemos esperar da regionalização.Prevenidas as "jardinices", sou claramente a favor da regionalização.

     

Enviar um comentário

<< Home