Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

terça-feira, dezembro 06, 2005

650. Diário das Presidenciais 2006 (6)



Não deve ter havido ontem nem um cidadão, de esquerda ou de direita, que não tenha ficado pasmado com a confusão ideológica que vai na cabeça de Cavaco. Ainda por cima não foi capaz de defender uma única ideia que tivesse uma pontinha de ruptura (nem a do salário do Presidente)...

Mas fiquei realmente confuso com as declarações sobre Santana Lopes. Afinal não era Cavaco, segundo as teses por aí levantadas, que ia evitar a "má moeda" de estar no Governo - Cavaco disse que nomeava Santana na mesma no debate - e afinal não foi ele que mais assertivamente defendeu a posterior expulsão da "má moeda" - agora, afinal, não tinha os dados todos para dar uma opinião definitiva? Este homem é um artista...

3 Comments:

  • At 2:19 da tarde, Blogger Bruno Gonçalves said…

    Ricardo:

    Confusão "Ideológica"?

    Acho que o termo não é o mais apropriado, pois Cavaco ideologicamente foi abolutamente coerente.


    Abr

     
  • At 3:58 da tarde, Blogger António Lisboa Gonçalves said…

    Pois é, um verdadeiro artista que sem exprimir nehuma idéia em concreto, ainda assim consegue larga vantagem nas sondagens. É tipico de país de terceiro mundo, ao eleitores votam no candidato mas não sabem porquê! pobre país este.

     
  • At 10:57 da tarde, Blogger Bruno Gonçalves said…

    Não está a ser demasiado dramático António?

    Parece-me que aí reside uma frustração latente...

     

Enviar um comentário

<< Home