Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quarta-feira, abril 18, 2007

1097. Défice de reflexão crítica

Quanto mais leio o conteúdo do acórdão do Supremo Tribunal de Justiça relativo às supostas dívidas do Sporting ao fisco mais revoltado fico com a manipulação que o Público fez das conclusões deste.

Quem leu a reacção do Público ficou com a sensação que este jornal foi condenado por ter divulgado uma notícia verdadeira. Por todo o lado houve uma onda de choque carregada de perplexidade. Afinal o Público esqueceu-se de referir que todas as instâncias referiram que a notícia não era verdadeira (ou que, pelo menos, não foi provada) e que a famosa frase que retirou do acórdão era uma reflexão, em anexo, sobre o eterno conflito entre a liberdade de imprensa e a liberdade individual.

A isto chamo manipulação grosseira da opinião pública e prova que não há, e também faço a mea culpa, uma perspectiva crítica do que nos é apresentado como verdadeiro pela Comunicação Social.

Etiquetas:

2 Comments:

  • At 8:51 da manhã, Blogger Samir Machel said…

    Ricardo, julgava-te mais responsável.

    Já viste o perigo se os jornais contassem a verdade. Comecava na bola e e acabava nao sei onde...

    Abraco,

    Samir

     
  • At 5:14 da tarde, Blogger O Profano said…

    BoAS...
    Se existiu realmente uma utilização abúsiva e incorrecta da notícia, caberia então ao jornal em questão fazer o mea culpa necessário e os demais media publicarem a notícia verdadeira.
    Mas tudo me leva a crer, por onde passei, tanto em jornais e tvs, que o Público tinha razão no que afirmara. Se foi o contrário, induziu os seus leitores bem como a generalidade das pessoas, e isso é deveras grave para um agente noticioso que tem como principa dever e obrigação contar e falar a verdade...
    Abraços

     

Enviar um comentário

<< Home