Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

sexta-feira, abril 27, 2007

1115. Pina Moura e a nomeação para a TVI

É caricato que um Primeiro-Ministro seja "obrigado" a responder a tantas perguntas sobre uma nomeação que uma empresa privada faz. E é ainda mais surpreendente observar que autores de blogues que se intitulam de liberais estejam "em pulgas" por causa desta nomeação.

Um grupo espanhol - a PRISA - comprou um grupo português que detinha a TVI. Esse grupo, por sua vez, mais tarde, nomeou para administrador um conhecido membro do PS. Por sua vez há relações entre a PRISA e o PSOE. Onde está a polémica? Que eu saiba a compra duma empresa dum país diferente do país da empresa compradora é uma operação de mercado perfeitamente natural no quadro actual da União Europeia. Por sua vez, uma empresa privada contrata quem bem entender para a sua administração e pode até assumir, sem qualquer problema ético ou legal, uma linha editorial próxima duma ideologia ou dum partido. Cabe ao mercado e ao telespectador dar - ou não - cobertura a essa opção. Se a TVI optar - porque até agora não optou e o destaque de abertura ao "caso Sócrates", durante duas semanas, é prova disso - por deixar de ser independente cabe ao espectador, e só ao espectador, avaliar se quer ou não assistir a esse canal.

Da minha parte desejo uma imprensa heterogénea, com opções editoriais que podem ir desde as mais próximas à direita ou à esquerda, ou com linhas editoriais neutras, todas estas sujeitas à crítica e escrutínio do mercado. Presumo que vou continuar, como até agora, a tentar evitar a informação da TVI. Grave é quando dinheiro público - quer através de subsídios, publicidade institucional ou mesmo através do controlo directo do capital - é utilizado para manipular a informação.

Com certeza que países como o Reino Unido não são menos livres por terem jornais e televisões com várias sensibilidades e também tenho a certeza que a discussão favorita dos latinos, o futebol e principalmente a arbitragem, não fica mais pobre com jornais próximos a clubes. Fico admirado que o nosso Parlamento e um número considerável de blogues (principalmente os que se intitulam de defensores de ideais liberais e da economia de mercado) achem que uma empresa privada não pode nomear quem quiser, que a liberdade de imprensa está em perigo e que a oposição faz bem em interpelar o Governo sobre a escolha de administradores para empresas privadas. Surreal.

Etiquetas: ,

1 Comments:

  • At 9:03 da manhã, Blogger rouxinol de Bernardim said…

    O que é intrigante neste caso é que os paladinos da liberdade esquecem que numa empresa privada há mecanismos de decisão que não podem ser questionados sob pena de ingerência do poder político na esfera privada...

    Os políticos, à falta de melhor argumento para esgrimirem, foram buscar isto... Como é ridículo!!!

    É tal e qual o que se passa com Jardim a atacar em campanha eleitoral o Caso Sócrates (Independente). Será que não tem críticas a fazer à oposição? Não será uma forma de cobardia política pois sabe de antemão que Sócrates não vai ripostar?!

    Será que o povo ainda não se apercebeu desta hipocrisia e deste folclore sem racionalidade, sem qualquer fundamentação credível?

     

Enviar um comentário

<< Home