Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quarta-feira, abril 25, 2007

1111. Eleições Regionais Madeira 2007 (10) - As inaugurações


O PND (Partido da Nova Democracia) aproveitou uma das múltiplas inaugurações diárias do Presidente do Governo Regional para empunhar cartazes com o seguinte conteúdo: "Inaugurações eleitoralistas. Vergonha" e "Vergonha, vergonha, isto é tempo de antena". Quero, desde já, repudiar este modo de fazer política, que não é mais do que uma provocação que pode enveredar em situações de violência. Mas há aqui uma situação que merece uma análise séria.

Presumo que ninguém contesta que, em vésperas de eleições, tem que haver moderação nos actos oficiais. Infelizmente o ritmo de inaugurações na Região Autónoma da Madeira é frenético e há algumas cerimónias oficiais que em nada se distinguem dum comício político. Aliás esta é a única região do país em que bandeiras do partido no poder são distribuídas antes de alguns destes actos e, segundo o Presidente do Governo Regional, os cidadãos têm o direito de levar para as inaugurações o que bem entenderem. Adicionalmente acha que é uma hipocrisia separar a inauguração do partido que possibilitou a obra.

Vamos então falar de hipocrisia. Nas anteriores eleições regionais Alberto João Jardim escudava-se num critério para justificar a enxurrada de inaugurações nos dias que antecedem a votação. Segundo este é natural que as obras estejam prontas no fim do mandato que o Governo Regional dispõe, ou seja, o Governo eleito estrutura a sua acção para quatro anos. Como explicar, então que, agora, perante um cenário de eleições antecipadas, não haja nenhuma diferença no ritmo das inaugurações em relação às anteriores eleições regionais? O outro critério que frequentemente utilizava é que o Governo Regional tem o direito de mostrar a "obra feita" no mandato. Este critério, na minha opinião, também cai por terra uma vez que uma percentagem significativa das inaugurações são o resultado de investimento privado. E nem é preciso relembrar que, à semelhança do que já aconteceu nas últimas eleições regionais, a maioria das inaugurações são de obras de utilidade pública duvidosa (mas esta questão, a da qualidade do investimento público, já é uma questão que são os cidadãos que, no momento do voto, devem julgar). Deixo ao critério de cada um a classificação que queiram dar a esta realidade que precede os actos eleitorais na Madeira.


P.S. Durante o comício, desculpem, o acto oficial o candidato, desculpem, o Presidente do Governo Regional Alberto João Jardim reagiu à presença dos elementos do PND da seguinte forma: "Não resisto a uma oração ‘Deus nos livre do fascismo e dos fascistas’". Já nem comento o nível intelectual do discurso mas, mesmo correndo o risco do Bruno voltar a sublinhar o meu cinzentismo, volto a perguntar porque é que Deus é constantemente chamado para castigar os "inimigos", "traidores" e agora "fascistas" da Madeira?

Etiquetas: ,

7 Comments:

  • At 11:42 da manhã, Blogger O Profano said…

    BoaS Ricardo...
    Não resisto em fazer este comentário pois a dita personagem o assim merece: Depois de enganar os madeirenses ( católicos) vira-se agora também para os católicos em geral.
    Será que está a pensar com isto ganhar o seu lugar no céu ou está advogando uma nova seita?
    Dele já se espera tudo...
    P.S. Talvez esteja a tentar ganhar um empréstimo por parte do "banco da Obra" para fazer face ao défice da Madeira :)
    Abraços Profanos

     
  • At 9:10 da tarde, Blogger BaBy_BoY_sWiM said…

    Caro Ricardo!

    Parece que fui mal interpretado no blog do teu amigo... Mas pouco me interessa!

    E não sou como me retrataram no outro blog!...

    Hoje reparei que havias comentado um blog onde eu comentei...
    http://avenidacentral.blogspot.com/2007/02/nusea.html

    Com algum atraso é que vi... e gostaria de comentar! Porque pareces um pessoa que sabe respeitar a opinião dos outros e não és arrogante!

    Quanto à demissão do Dr. Alberto João Jardim...
    Referiste no teu comentário...
    Porque é que o Jacinto Serrão, basicamente ameaça os madeirenses a dizer se não for eleito não há dinheiro para a Madeira, todavia a lei muda e a RAM passa a nadar em dinheiro... é vergonho este tipo de politica, esses cortes foi um ataque politico!

    Os melhores cumprimentos,

    BaBy_BoY_sWiM

    http://madeiraminhavida.blogspot.com (aperece por lá e comenta)

     
  • At 1:05 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Caro Baby_boy_swim,

    O que se passou na caixa de comentários do Estranho Estrangeiro não teve o nível que todos desejamos para esta campanha e, a bem da frontalidade, foi mesmo degradante. Pelo que conheço do Vítor não é habitual e, mesmo não tendo acompanhado todos os comentários, presumo que o discurso aguerrido e oficial que usas contribuiu para isso. Mas não vou discutir isso nem me cabe a mim o papel de juiz duma pessoa que não conheço.

    Quanto ao comentário eu acredito que a LFR está a ser usada como bode expiatório para uma situação financeira que já se está a agravar há muito tempo. Se comparares, por exemplo, as dívidas acumuladas das empresas públicas com o que a LFR vai retirar à região em 5 anos vês que a primeira tem uma dimensão mais de 3 vezes maior que o acumulado da segunda em 5 anos. O que defendo é outro modelo de desenvolvimento para a região e temos que admitir que este já está esgotado há uma década, baseado, agora, em investimentos públicos não reprodutivos.

    Eu avisei que, da parte do Jacinto Serrão, não ia ver com bons olhos se este adoptasse o mesmo discurso de vitimização. É evidente que qualquer que seja o nosso próximo Presidente do Governo Regional tem que haver mais rigor nas contas públicas. Jacinto Serrão ensaiou um tipo de discurso com que eu não me identifico, ou seja, sugeriu que a LFR podia ser revista uma vez que foi negociada com falsos pressupostos (PIB empolado). Felizmente Vitalino Canas (julgo que foi Vitalino) cortou este ensaio pela raiz e deixou bem claro que não ia haver distinções. Pelo menos neste período, o da campanha, esse assunto morreu. E ainda bem...

    Cumprimentos,

     
  • At 2:23 da manhã, Blogger BaBy_BoY_sWiM said…

    Caro Ricardo!

    Quanto ao outro blog pouco ou nada há a referir, há pessoas que são algo autistas e nada se pode fazer... Eu talvez também seja um pouco autista, por isso é compreensível!

    Esta última sondagem mostra bem que o PS será penalizado... Parece que a vida política do "stôr" está por dias!

    Cumprimentos.

     
  • At 9:51 da tarde, Blogger Vítor Sousa said…

    Mas que pulsão mórbida leva este indivíduo a invocar, nas entrelinhas, o meu nome? Autista, eu? Há muito que nos conhecemos, na blogosfera, Ricardo. Às vezes, penso que entrincheirar-me num mundo só meu seria benéfico, escudando-me de algumas vilezas.
    Um abraço.

     
  • At 4:22 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Vítor,

    O nosso esforço utópico, novamente, caminha para a completa manutenção de tudo tal como está. Apesar disso... estás com a consciência pesada? Eu continuo a dormir bem à noite...

    Abraço,

     
  • At 8:41 da tarde, Blogger Vítor Sousa said…

    Durmo sempre bem, felizmente. Quando as insónias me manietam, não é a política que me inquieta, certamente.
    Um abraço

     

Enviar um comentário

<< Home