Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

segunda-feira, abril 23, 2007

1104. Eleições Regionais Madeira 2007 (8): O "castigo divino"





Alberto João Jardim, no arranque da campanha eleitoral, disse que José Sócrates recebeu “um castigo divino pelo mal que está a fazer à Madeira”. Eu continuo a achar que o "castigo" foi bem terreno mas fico feliz porque assim sei que Deus está atento às injustiças que acontecem aos madeirenses e que os "patifes" que nos prejudicam estão a ser castigados, em vida, pelas entidades divinas.

Cada vez mais compreendo a necessidade de votar em Alberto João Jardim já que este goza de protecção divina e, afinal, não é por acaso que padres na região apelam ao voto no partido cuja seta aponta para o céu. Sinto-me, confesso, mais protegido contra as injustiças da vida terrena. E, se até agora, as recompensas das nossas acções virtuosas eram recompensadas no céu, a partir de hoje, sei que também há recompensas na vida terrena.

O cabeça de lista do PSD-Madeira acrescenta que "Nosso Senhor não castiga nem com paus nem com pedras. Ele [José Sócrates] quis fazer mal a tanta gente que agora está a ser castigado”. Este homem, coberto por uma aura divina que lhe é um direito pelo sua capacidade de interpretação do que Deus pretende, alerta a população de que lado estão as forças divinas. A injustiça é tal que os que não votam nele não são apenas "traidores" mas, a partir de hoje, podem também ser considerados como hereges. E é assim que se discutem as opções políticas na Madeira, ou seja, em vez de explicar porque é que a lei que o herege Sócrates aprovou é uma gota de água nos problemas financeiros que o próprio criou na região, o nosso "líder" prefere difundir a opinião de Deus, e Este, claro, também acha que os madeirenses estão a ser vítimas de uma injustiça atroz, tão atroz que, ao contrário do que acontece com tantas outras injustiças no mundo, nesta não Pôde deixar de actuar.

Etiquetas: ,

12 Comments:

  • At 6:38 da tarde, Blogger Bruno Gonçalves said…

    Bem, que cinzentismo... AJJ faz uma piada muito bem conseguida, e temos isto...

    Ricardo, era escusado este post, sinceramente...

     
  • At 7:04 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Bruno,

    Não te sabia apreciador de "stand up comedy". É que pensei que estávamos em campanha eleitoral e já que o tom destas declarações foi o mesmo das restantes temos que decidir se tudo se resume a um longo monólogo de humor ou se estamos perante um homem que se lava demasiado a sério.

    Bruno, era escusado este comentário, sinceramente...

     
  • At 7:17 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Falar mal do Alberto se bem que apetecível e apropriado é dar um tiro no pé: As eleições na Madeira são livres e de acordo com todas as regras da democracia.
    Quando se insulta Alberto não se insulta Alberto mas sim o povo da Madeira.
    Afinal o povo é ou não sempre profundamento sábio? (Mário Soares ensina que sim)

    GPC

     
  • At 7:19 da tarde, Blogger Blogtrotter said…

    Este homem demitiu-se porque a lei das finanças locais mudou, estava habituado á mama do "contenente"! Chantagem... de qualquer forma as eleições são em Maio, pode ser que desista! Sinceramente, o povo da Madeira parece que não vê para além disto!

     
  • At 7:29 da tarde, Blogger Ricardo said…

    GPC,

    Eu não disse que as eleições não são livres e muito menos insultei Alberto João Jardim. Não é o meu estilo. Tenho profundas e fundamentadas divergências com o conteúdo das suas políticas e com o seu estilo, nada mais.

    "Quando se insulta Alberto não se insulta Alberto mas sim o povo da Madeira."

    Esta frase, confesso, é que não compreendo e, curiosamente, é tantas vezes promovido este raciocínio oficiosamente e até oficialmente na região. E pensar assim é que não é lá muito democrático, pois não?

    Abraço,

     
  • At 7:40 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Blogtrotter,

    Uma pequena correcção que advém certamente duma distracção, a demissão foi resultado da reacção de Alberto João Jardim à Lei das Finanças Regionais, e não Locais, que também foi modificada uns meses antes.

    A relação Madeira/ Lisboa tem obviamente que mudar. Nem o discurso separatista tem qualquer utilidade nem a falta de cooperação é possível num país que se quer desenvolvido. A realidade é que a relação não é saudável mas não se pode culpar a lei pela génese desta situação. A Região nunca foi solidária com os problemas orçamentais do país e de outras regiões e, apesar de vários perdões da dívida, nunca inverteu as suas políticas. Chegou a hora da responsabilização. O problema é grave porque o endividamento da região é muito preocupante numa economia que depende quase exclusivamente do Estado. Mas a LFR é uma gota de água nas dívidas globais da região.

     
  • At 7:49 da tarde, Blogger Bruno Gonçalves said…

    É verdade, sou apreciador de "stand up comedy". Mas sou ainda muito apreciador de breaks políticos.

    Efectivamente estamos em plena campanha eleitoral, facto que só reforça a necessidade de haver um break de vez em quando. Ninguém aguenta semanas consecutivas de discursos sérios.

    Ricardo, um conselho. Relaxa e aproveita a piada de um político, mesmo que não simpatizes politicamente com ele. Sim, é possível. Repara na química humorística entre mim e a Royal! ;)

    E by the way, era escusado esse comentário ao meu comentário... ;)

     
  • At 7:49 da tarde, Blogger O Profano said…

    É caso para ficarmos a pensar, pertencerá Alberto João ao Opus Dei? Ou teve algum encontro espiritual com o divino?! :)

    Abraços Profanos

     
  • At 8:01 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Ora Bruno,

    Nunca ouviste dizer que a ironia é uma forma de humor? Posso não ter muito jeito mas, acredita, encaro a vida com muito bom humor... mesmo quando me apetece chorar!

    É impressionante como achas tudo normal na Madeira, mesmo tudo o que criticas tão assertivamente nas linhas do teu blogue (que é um dos meus favoritos). Peço "ajuda divina" para perceber isso ;)

    E já não acho nada escusado, porque senão, daqui a pouco, parecemos a Maria José Nogueira Pinto num famoso congresso do CDS/ PP

     
  • At 8:04 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Profano,

    Não sei! Foi uma aparição que merece a construção dum santuário e que vem revolucionar os dogmas da fé ;)

    Abraço,

     
  • At 12:30 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Não compreende o quê? Se o povo elege consecutivamente Alberto João e se se pensa que Alberto João não presta e é isto e aquilo, não há volta a dar-lhe: pensa-se que os madeirenses são estúpidos. À primeira quem quer cai, à segunda cai quem quer.
    Criticar a obra não é criticar o autor? Pois Alberto João é obra da autoria do povo da madeira.
    Sendo Alberto João a besta que se diz para aí, o povo da madeira não deve ser estúpido, deve ser muito estúpido.
    Há outra explicação? Como é possível criticar Alberto João ao fim destas reeleições todas com a última a subir fartamente nos votos, sem sobrarem críticas a quem o elege? Pergunto.
    GPC

     
  • At 12:40 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    E acrescento: quanto mais defeitos se apontam à personagem mais elogios lhe estamos a dar, bem vistas as coisas porque é estar a dar-lhe azo a poder dizer "os meus defeitos valem mais que as vossas virtudes".

    (A menos que não o considere um "homem de sucesso")

    GPC

     

Enviar um comentário

<< Home