Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

domingo, abril 22, 2007

1100. Eleições Regionais Madeira 2007 (7): Blogosfera


O debate de ideias na Madeira está limitada aos segundos que os telejornais dedicam às palavras dos políticos em ambiente de comício e aos panfletos que circulam por todas as casas com propostas mal explicadas. Não há debate(s) nem contraditório, apenas bandeiras e festa. O advento dos blogues, felizmente, permite que a discussão seja mais ampla. Quero destacar quatro textos de três autores que escalpelizam um tema muito caro em vésperas do 25 de Abril, ou seja, a qualidade da Democracia na região.

Do Estranho Estrangeiro quero destacar dois textos: Os "filhos do 25 de Abril" e a política: o poder das jotas e A formatação mental dos jovens. Este último texto provocou uma interessante discussão sobre, entre outros temas, a adoração ao "líder" e sobre a reflexão crítica dos madeirenses.

Do Olho de Fogo destaco um texto, Did it need to be so high?*, que defende que "Não há uma relação democrática adulta entre a governação e a sociedade madeirense".

Do Aleluias surge o texto Um dos problemas desta democracia que aborda o tema do pensamento na região, que o Marco apelida de "moldado".

Etiquetas: ,

3 Comments:

  • At 6:49 da tarde, Blogger Shinobi said…

    Ricardo,

    Com todo o respeito, o "post" que mencionaste como tendo provocado uma interessante discussão, tal sucedeu apenas em interlúdios. A certa altura degenerou numa autêntica peixeirada, em que muitos dos intervenientes entraram numa espécie de competição para ver quem desfilava ofensas com palavras "mais caras", e a certa altura já nem havia essa preocupação. Pois eu acho que de interessante só teve uma despudorada prosápia de insultos, que alguns, confesso, me fizeram rir...Convenhamos que o bom senso não imperou.

     
  • At 2:32 da tarde, Blogger Vítor Sousa said…

    A genuína vontade de reflexão foi minada pela pulsão brejeira de um. Confesso, porém, que a minha habitual parcimónia sucumbiu à espiral de insultos. Como interveniente, penitencio-me.

     
  • At 10:48 da tarde, Blogger Shinobi said…

    Caro Vítor Sousa,

    Eu considero-me um social-democrata, embora pelo que vejo hoje em dia, em todos os partidos políticos, haja uma clara falência de ideologias.
    Também defendo o Dr. Alberto João Jardim, pois admiro-o enquanto madeirense, embora também não ache que seja um ser mítico e omnipotente, isento de defeitos. Cometeu erros, e se calhar não foram assim tão poucos, mas a meu ver foi e é um homem (repare, um homem, não um Deus!)que lutou e deu o máximo pela sua terra. A sua actividade foi extremamente importante em bastantes momentos, sobretudo pela sua reconhecida capacidade de reivindicação e de luta!
    Embora não concorde na generalidade com o conteúdo do seu texto que deu origem à tão acalorada discussão, e pense que o mesmo tinha potencialidades para originar uma "briga" eivada de retórica menos apropriada, concordo muito menos com a atitude agressiva com que o seu opositor o brindou. Aliás, não sou o único social-democrata que pensa desta forma.
    Basta ver os comentários de um dos últimos "posts" no blog "Madeira, Minha Vida", em que o autor disserta acerca dos pontos fortes e fracos do Dr. Alberto João Jardim, para depreender claramente que existem sociais-democratas que não se reveêm nas ideias do aludido blogger.
    Fica-lhe bem a retratação, só demonstra que é uma pessoa madura e responsável.
    Espero que o seu contendente demonstre a mesma força de espírito, e enverede pelo caminho da conciliação.
    Aproveito para felicitá-lo pelo seu blogue, cujo conteúdo político normalmente discordo quase em absoluto (assim como o do Filho do 25 de Abril, subscrito por uma pessoa que tenho na mais elevada consideração), mas que no entanto reconheço que tem qualidade e interesse.
    Convido-o já agora a visitar o meu, alertando-o desde já que não possui conteúdo político, sendo antes um espaço que versa sobre um género específico da sétima arte.

    Cumprimentos

     

Enviar um comentário

<< Home