Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

sexta-feira, dezembro 10, 2004

(260) Ainda bem que todos respeitam a decisão do Presidente

O ainda ministro Nuno Morais Sarmento resolveu dar um contributo lúdico à nação e pôr-nos a consultar o Dicionário para perceber porque é que Sampaio tem um "estilo caudilhista"! Eu fui logo consultar o guardião da nossa língua, a grande instituição chamada Porto Editora. Entre menções a Franco e ao fascismo a definição oficial da nação é esta:

Caudilho - chefe político; indivíduo influente; chefe militar.

Afinal não deve ser grave. Sampaio é, de facto, estas três coisas. Não percebo! O ministro a querer valorizar o nosso querido Presidente e a respeitar as suas decisões com tanto carinho e Portugal responde com tanta má fé. É injusto! Que país o nosso, parecemos um bando de invejosos que nem conseguimos dar valor à qualidade política de homens (com O grande) como Sarmento.

Será que, neste Governo, ninguém consegue estar mais do que um dia sem dizer asneiras?

3 Comments:

  • At 11:25 da manhã, Blogger rafapaim said…

    Como esta no post anterior... temos de alimentar a comunicaçao social... que tanto brilhou com este governo!!!

     
  • At 4:23 da tarde, Blogger O Raio said…

    Não nos iludamos. Sampaio nem caudilho é.
    A demissão do governo foi só um subproduto de uma manobra muito maior, a de evitar o Referendo sobre a Constituição Europeia.
    Para já evita-se que se faça o referendo em 2005, só poderá ser em 2006 devido à sobreposição a outras eleições.
    Depois em 2006 nem poderá ser no início do ano devido à eleição presidencial.
    Provavelmente deixar-se-à cair o referendo por falta de data oportuna e então a nova Assembleia da República ratificá-lo-à.

     
  • At 5:29 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Raio... por muito pouco que conheça o nosso Presidente acredito que é a ultima coisa que pensou ao dissolver a Assembleia!

     

Enviar um comentário

<< Home