Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

sexta-feira, outubro 28, 2005

601. Pequenas notas, pequenas ironias

1. Quem esteve atento ao manifesto eleitoral de Cavaco percebe que este é o primeiro a retirar qualquer dúvida sobre qual é o seu papel.

"Ao presidente da República não cabe legislar nem Governar"

[Lembrando que conhece bem as dificuldades que se colocam a um Governo] " nos tempos de mudança" [que o país atravessa e que exigem] "decisões corajosas e determinadas"
Cavaco Silva

Como já tinha referido anteriormente - e as (sensatas) palavras de Cavaco só confirmam - é uma utopia estar a votar neste candidato para definir políticas económicas. E como também já defendi quem defende a teoria que este é o melhor "ajudante" que Sócrates podia ter - e Cavaco reforça a teoria - também está, implícitamente, a concordar com o rumo do Governo. Agradecia esclarecimentos!

Admito que Cavaco é um homem com sentido de Estado mas temo que vamos ter um Presidente na linha de Sampaio porque Cavaco é propenso a ser o "bom aluno", leia-se, o aluno obediente com a agravante de que agora não vai definir a política económica mas sim orientar-se pela política económica alheia. Digo, sinceramente, que sou muito mais adepto do tipo de entendimento que Soares fez do cargo de Presidente enquanto o exerceu.

2. Depois de emitir rasgados elogios ao Orçamento de Estado o PSD parece que agora está decidido a votar contra. E porquê? Porque o Governo não recuou na questão da Ota e do TGV! Vamos ver se entendo... o Governo orçamentou para o ano que vem estudos em relação a estes projectos e, para já, pouco mais! Sabe-se, adicionalmente, que o Governo pretende gastar poucos recursos com estes projectos via parcerias público/ privados. Por isso o impacto destes projectos no Orçamento do próximo ano é praticamente nulo! Até duvido que atinja uma percentagem na casa das unidades no investimento público devendo ficar pelas décimas ou centésimas. Perante este cenário alguém tem dúvidas que o voto do PSD é este porque, independentemente da lei de Orçamento, já era assim que estava definido?

6 Comments:

  • At 7:04 da tarde, Blogger mfc said…

    A leitura que faço do manifesto de Cavaco é contrária à tua. Sob a capa de obediência aos ditames constitucionais ele afirma-se interventivo. Julgo que será um factor de instabilidade para qualquer governo.
    As mentalidades não se mudam com um mero discurso!

     
  • At 7:32 da tarde, Blogger Ricardo said…

    mfc,

    Eu quero um Presidente interventivo dentro dos seguintes limites:

    - dentro dos seus próprios poderes;

    - dentro do que é razoável um mediador como o Presidente fazer.

    Deste modo não quero alguém que acha que pode ou deve interferir na política económica mas também que não seja um mero "bom aluno", obediente do rumo escolhido por outros. O PR não define as políticas mas pode e deve fazer com que a discussão dessas políticas seja permeável a um consenso entre pontos de vista. Ninguém governa a partir de Belém e, por isso, precisamos dum PR que tenha uma visão global dos problemas para que os interesses do Governo e daqueles que representa não colidam.

    O Presidente é o nosso espelho lá fora e deve, cá dentro, ser o homem que conquista os consensos. Por isso o meu perfil do que deve ser o Presidente choca com uns candidatos e encaixa que nem uma luva noutros!

    Abraço,

     
  • At 10:45 da tarde, Anonymous C.Indico said…

    Viva Ricardo:
    Tenho estado ausente porque os gajos da Qualidade querem miles A4 e reduzam a escrito que tudo está CONFORME,mesmo que não esteja. É preciso é que hajam pastas "ancor" de diversas cores, lindas, atafulhadas de relatórios com um print colorido e atractivo, tão deslumbrante e massivo que é impossível analisar.

     
  • At 1:45 da manhã, Anonymous Eduardo said…

    Pois é, Ricardo, estamos todos nessa: "o meu perfil do que deve ser o Presidente choca com uns candidatos e encaixa que nem uma luva noutros". Só que pelo nível dos comentários que aqui tens posto, eu esperava tudo menos esta declaração «lapaliceana"...
    Que te passou pela cabeça, amigo? Este comentário não é um absurdo? Vá lá, homem, todos temos dias maus. Fico à espera do bom que sabes fezer.

     
  • At 2:00 da manhã, Blogger Ricardo said…

    C. Índico,

    Boa sorte para essa tua tarefa ciclópica e, com certeza, duma dose de burocracia angustiante.

    Abraço e bom fds,

     
  • At 2:00 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Eduardo,

    ;-)

    Abraço,

     

Enviar um comentário

<< Home