Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

segunda-feira, maio 01, 2006

840. 1 de Maio

É interessante verificar que, e este é o dia ideal para reflectir sobre isso , os trabalhadores perdem cada vez mais peso em relação aos consumidores. Os - homens -consumidores são cada vez mais exigentes em relação ao que compram e à qualidade do que compram enquanto que os - homens - trabalhadores, à semelhança dos - homens - cidadãos, são cada vez mais apáticos em relação aos seus direitos.

Ao contrário do que possa parecer não tenho nada contra o consumo e ao facto de sermos exigentes com o que compramos - é excelente que assim seja - mas fico espantado que isso não aconteça na mesma proporção em relação à sociedade e aos nossos postos de trabalho. A concorrência - global - tem trazido enormes benefícios a quem consome - na relação preço qualidade - mas não é líquido estar a acontecer o mesmo nos direitos e remunerações de quem trabalha. É o preço do dumping social e da maior exigência nos custos de produção. No limite a concorrência vai tornar o trabalho mais precário e exigente, pago numa proporção mais baixa do que actualmente. Isso não é necessariamente negativo mas tem que haver regulação para que o dumping social não coloque em risco um mínimo de direitos laborais e sociais.

O que é cada vez mais notório é a indiferença com que o homem assiste a esta mudança de foco, ou seja, da prioridade em ter direitos laborais para a prioridade em ter direitos como consumidor. Talvez seja esse o seu, do homem, desejo. O trabalhador, à semelhança do cidadão, é cada vez mais apático. E o peso - ou falta dele - do dia 1 de Maio é o perfeito espelho destas mudanças...

5 Comments:

  • At 9:56 da tarde, Blogger pedro oliveira said…

    Parece-me que poderás não estar a colocar a questão da maneira mais correcto.
    O problema não é lutar por novos direitos nem manter os que existem.
    O problema é que se vê a coisa como emprego / desemprego e não como trabalho / produção.
    Bem sei que trabalho e produção são termos marxistas, julgo, no entanto, que tanto os trabalhadores como os patrões têm de assumir cada um o seu papel na cadeia de produção.
    Quer um quer outro têm direitos e deveres. Os trabalhadores (vamos chamar-lhe empregados) têm tendência a valorizar a sobrevalorizar os seus direitos. Os patrões (vamos chamar-lhe chefes) têm tendência a valorizar, sobrevalorizar os deveres dos empregados.

    Na minha opinião é neste desencontro entre empregados que não produzem e chefes que não lideram nem são pelo seu exemplo factores de motivação para as equipas que chefiam, dizia é neste desencontro que podemos encontrar a causa, talvez, a maior para a produção estar como está.

    Dizias, que os empregados não são muito exigentes com as condições laborais, precisamente, porque não colocam (há excepções, claro) todas as suas competências e empenho naquilo que fazem... nas empresas, no trabalho dum modo geral, tende-se a nivelar por baixo.

     
  • At 12:21 da tarde, Blogger Fernando said…

    Há uma palavra de pode definir essa menos preocupação com os direitos sociais: Medo.
    Medo do despedimento, de ser deslocado para outro serviço, de fazer um trabalho abaixo das suas competências e capacidades, da pressão psicológica, medo de n progredir na carreira, medo de ser encostado.
    Em regra é isso. Eu estava no departamento de vendas, era dos que tinha melhores resultados individuais, recebia os prémios e comissões a que tinha direito, mas não me conformava com sa condições de trabalho, com a falta de eficiência dos serviços, com o mal acompanhamento do pós venda e da minha remuneração fixa. Os meus colegas tb não. Só que eram logo ameaçados "quem não estiver bem saia" e todos se calavam. Um dia, eu disse mesmo, ou me dão um aumento de vencimento, correspondente ao meu desempenho ou eu quero sair. Bem acabei mesmo por vir a receber o aumento de vencimento. Mas quantos ousariam pôr em causa o lugar,( com direto a carro, telemóvel de serviço, disponibilidade de horário etcc...) afrontando o chefe todo poderoso?!!! Não há que ter medo quando se cumpre, quando fazemos o melhor, obtemos resultados. Infelizmente ainda não é essa a mentalidade dos trabalhadores nem dos chefes ou patrões.

     
  • At 11:46 da tarde, Blogger pedro oliveira said…

    Obrigado pelo testemunho, Fernando.
    Vai ao encontro daquilo que escrevi, ilustras muito bem uma situação real.

     
  • At 1:23 da manhã, Blogger AA said…

    Caro Ricardo:

    Tal deve-se ao facto de não faltar concorrência no mercado de consumo, mas faltar muita ao mercado do emprego.

    Digamos que proibiam o consumidor de de mudar de produtos consumidos, e continue-se a analogia...

     
  • At 12:00 da manhã, Blogger ClearedForTakeOff said…

    Não deixa o trabalhador de ser um consumidor. Os erros dos anos 20 em que os trabalhadores eram tão pobres que nem podiam comprar o que produziam no capitalismo US deram no que deram

     

Enviar um comentário

<< Home