Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

segunda-feira, outubro 02, 2006

911. Lula da Silva

Fiquei agradado com os resultados eleitorais no Brasil. A não eleição do Presidente Lula à primeira volta - que representa uma enorme perda de popularidade em relação às últimas eleições - é um sinal claro de desilusão em relação às expectativas que este criou. O seu mandato foi, para mim, uma enorme desilusão. Em primeiro lugar porque além de não ter conseguido travar a corrupção na política brasileira foi, e isso é bem mais grave, pouco decidido no seu combate e, em segundo lugar, porque adoptou uma postura pouco rigorosa - diria até populista - em relação à economia. Ser-se de esquerda não é optar pelo facilitismo da demagogia dum discurso - e duma acção - que promove um combate inócuo aos verdadeiros problemas duma economia. Ser-se de esquerda é defender de forma decidida uma harmonia entre a solidariedade social e intergeracional e a defesa da produtividade da economia. Lula da Silva é, cada vez mais, o George W. Bush da esquerda, ou seja, um homem comprometido, sem visão, que nada trouxe de inovador à sua área ideológica, um bluff.

1 Comments:

  • At 11:38 da tarde, Anonymous Diego said…

    Uma grande erva daninha, isso sim. E pensar que eu acreditei nele, ops, acreditei nos "merketeiros" dele.

    abraços ric
    saudades
    diego

     

Enviar um comentário

<< Home