Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

domingo, dezembro 10, 2006

940. Grao de Areia no Universo: Augusto Pinochet


Colin Powell descreveu o contributo dos EUA à desestabilizacäo do Governo de Salvador Allende e à manutencäo do regime de Augusto Pinochet como uma parte da história dos EUA que ele näo tinha orgulho. Os documentos que a CIA disponibilizou recentemente mostram como principalmente Henry Kissinger - uma personagem reincidente neste tipo de manipulacöes ao mais alto nível - determinaram o rumo que o Chile tomou. Näo posso deixar de também criticar frontalmente a diplomacia e a justica inglesa por, em 1998, terem deixado passar a oportunidade de julgar o ex-ditador.

O "milagre chileno" é muito estudado nas universidades. É um dos raros exemplos duma economia que foi regida sobre os princípios dos "rapazes de Chicago". A sua abordagem económica teve algum sucesso. Mas o que importa sublinhar é que isso foi feito à custa da supressäo dos direitos humanos e da liberdade. Pinochet dizia que nem uma folha tinha autorizacäo para mudar de sítio sem a sua autorizacäo. O papel do próprio Milton Friedman neste processo foi dúbio e passou por vários períodos de apoio envergonhado ao regime mas, mais tarde, esclareceu que o "milagre" nao foram as políticas económicas no Chile mas o facto dos "rapazes de Chicago" terem conseguido convencer uma junta militar a implementar as suas reformas. Apesar deste "esclarecimento" a verdade é que as palavras foram produzidas por Friedman. A grande questao permanece: será possível empreender estas reformas liberais se näo associarmos a estas um regime político autoritário?

O "milagre", porém, também é discutível. Os resultados näo säo täo claros como os liberais apregoam. As desigualdades sociais acentuaram-se, o capital deslocou-se quase todo para empresas estrangeiras, o desemprego disparou, a formacäo de oligopólios foi exponencial e, no período do regime de Pinochet, apenas 5 países sul americanos cresceram menos (ver The Chicago boys and the Chilean 'economic miracle' por Steve Kangas).

Näo consigo aceitar, confesso, que o "milagre chileno" seja, de uma forma mais ou menos velada, motivo de admiracäo. Felizmente, actualmente, o aspecto económico é secundarizado pela comunidade internacional, mesmo pela maioria dos pensadores liberais, face ao horror do regime de Pinochet no campo dos direitos humanos.

3 Comments:

  • At 2:48 da manhã, Blogger O Raio said…

    O regime de Pinochet matou muita gente e matou-as de duas formas.
    Da forma clássica, tipo tiro na cabeça ou similar e na forma dissimulada causada por políticas económicas cegas que deixam muita gente a morrer á fome ou subalimentada, ou a atirar para o mercado jovens academicamente impreparados ou ainda a lançar nas garras do crime muita vitima.
    As nossas sociedades, leia-se, a nossa Comunicação Social, fica muito chocada com o primeiro tipo de crimes e ignora totalmente o segundo.
    Pudera, se considerarmos o segundo tipo de crimes, temos muito governante por essa Europa fora a caber na classificação de reles criminoso.
    Ainda por cima o número de vitimas do segundo tipo de crimes é muito, mas mesmo muito, superior á primeira, no Chile de Pinochet, na Europa ou em qualquer outro lugar.
    Eu, francamente, tenho mais respeito por um criminoso como o Pinochet que sabe que é um criminoso e que morre de consciência pesada, do que por um Cavaco Silva que friamente destruíu o país nos dez anos em que o governou e que se sente de consciência tranquila a ponto de ter tido o descaramento de se candidatar a presidente da República e, por incrível que seja, ter ganho!

     
  • At 2:31 da tarde, Blogger alfredo henríquez said…

    Não deixa de ser curioso que o "milagre económico" do "modelo Pinochet" de desenvolvimento, tenha como mentor o Milton Frieddman. O Paradoxo do neo-liberalismo é a acumulação do capital com a barbarie das democracias musculadas . Receita muito escondida nos dias de hoje em toda Europa.

    Venceremos !!

     
  • At 9:21 da manhã, Blogger O Raio said…

    Não houve "milagre económico" chileno!
    Durante a ditadura de Pinochet só 5 países sul-americanos cresceram menos do que o Chile.
    O que é espantoso no Mundo de hoje é que o liberalismo, com ou sem "neo" levou sempre o Mundo ao desastre mas, quando as pessoas se esquecem volta sempre à baila. É o que está a acontecer actualmente...

     

Enviar um comentário

<< Home