Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

sábado, abril 28, 2007

1117. Eleições Regionais Madeira (12): Notas de Campanha

5. A primeira sondagem publicada durante a campanha eleitoral (Eurosondagem / SIC, Expresso, Rádio Renascença) coloca o PSD/ Madeira com maioria absoluta (59,3%) e com uma subida de quase 6 pontos percentuais em relação às regionais de 2004. A estratégia de vitimização e o discurso 'anti-colonial' parecem estar a resultar e a unir os madeirenses à volta do PSD. É pena, até porque ainda não ouvi, da parte do PSD, uma única proposta para inverter a situação financeira da região que não envolva pressão ao Governo Central para aumentar as transferências para a região;

6. Apesar das recomendações do Presidente da República e da Comissão Nacional de Eleições a febre de inaugurações continua a um ritmo frenético. Alberto João Jardim continua a achar normal que um Governo demissionário, em gestão e em período de campanha eleitoral pode e deve mostrar a "obra feita". Com direito a 'comes e bebes' oferecidos por cidadãos altruístas para transformar a campanha numa enorme festa de manhã à noite;

7. Jacinto Serrão começa a ensaiar, em desespero, uma distanciação ao Governo da República. Será que não é possível ganhar eleições sem reforçar e sublinhar a identidade única do madeirense e usar o discurso do "nós" e os "outros"? Parece que o discurso oficioso usado há 3 décadas criou um fosso que desaconselha a qualquer político regional o uso da palavra 'cooperação'. Eu tenho uma teoria para este 'medo' de 'Lisboa' mas guardo-a para mim.

Etiquetas: ,

2 Comments:

  • At 1:17 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Eu tenho uma teoria para este 'medo' de 'Lisboa' mas guardo-a para mim.

    É melhor.

     
  • At 4:21 da tarde, Blogger rouxinol de Bernardim said…

    Viver numa ilha com a autonomia da Madeira e com um líder como Jardim
    (que se considera como que uma vítima permanente do "colonialismo de Lisboa") dá azo a que os seus oponentes, (se quiserem sobreviver
    a nível local) tenham que usar a mesma ladainha estereotipada.

    Enfim, quem controla a informação, quem "caudilhiza" (no pior sentido) o poder, obriga os seus oponentes a fazer coisas que, no seu íntimo, não pensariam fazer.

    Quem acusa os seus adversários usando insultos e epítetos grosseiros (v.g. o "excomungado", o "tipo da rua do Surdo", o "desconhecido Rodrigues") já ultrapassou o limiar do despotismo.
    Cavaco que se cuide! Ele pode insultá-lo de forma soez e ficar a rir-se. Ele não é um menino de coro! nem consta que core, quando regurgita estas baboseiras enxofradas...

    O discurso do "coronel" é de tal forma anormal que até parece "normal"... e quem não for como ele, não grangeia apoios...

     

Enviar um comentário

<< Home