Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

terça-feira, junho 15, 2004

(83) Eleições Europeias – Análise dos resultados por região e por país

Os resultados globais em Portugal foram claros mas há pequenas curiosidades que têm o seu interesse.

Voto nas áreas metropolitanas: No Porto a diferença entre o PS e a Força Portugal (FP) foi de mais de 15% e em Lisboa foi cerca de 14%. Estes resultados carecem de reflexão e são, para mim, inesperados pela sua dimensão. Não nos podemos esquecer que, em princípio, a FP devia somar os votos do PSD e do PP. Cai também o mito urbano do BE porque se, em Lisboa, tem 7,61% no Porto tem 4,8%. Sem um resultado noutras regiões condizente não teriam eleito um deputado.

A abstenção prejudicou quem?: Eu acredito, mas não estou a basear-me em nenhum estudo credível, que a abstenção prejudicou mais a FP mas que também foi conveniente. Achei os eleitores da FP pouco motivados a votar, também querendo participar deste modo na censura ao Governo. Muitos militantes do PSD também recusam-se a votar no PP. O eleitorado sem partido fixo também não se reviu na proposta europeia confusa da FP. Foi conveniente porque assim relativiza um pouco a derrota. Mas posso até estar enganado e a abstenção ter tido efeitos bem diferentes nos resultados.

Regiões Autónomas: É um bom indicador para as eleições Regionais. Na Madeira (apesar de em Machico o PS ter voltado a ganhar) parecem claros que tipos de resultados esperar, só não se sabendo a sua dimensão. Nos Açores prevejo um resultado equilibrado. Sobre as Autonomias e suas contas pretendo fazer um post em breve.

Europa: O Partido Popular Europeu deve estar a esfregar as mãos. Os novos países aderentes enfraquecem o Partido Socialista Europeu de forma quase definitiva. Só excelentes resultados na Europa Ocidental compensavam os péssimos resultados do PSE na Europa de Leste. O PPE elegeu (dados não definitivos) 276 deputados e o PSE 200 deputados de um total de 732 deputados. Estas duas forças perdem em proporção mas mantêm-se como referência. O PPE ainda pode vir a perder deputados ao confirmar-se o abandono de algumas forças políticas. António Vitorino vê o seu objectivo (ainda) mais difícil de alcançar.

Guerra: O Governo Francês, o Alemão e o Inglês sofreram grandes derrotas. O Italiano teve resultados maus mas mais aceitáveis. A teoria da guerra cai por terra, daí não se pode tirar conclusões de maior. A guerra teve contornos que eu não quero que se repitam mas não me parece ter tido grandes consequências eleitorais. Está na hora de enfrentar o problema real da Europa, o crescimento económico. Apelo à remodelação Do PEC (Programa de Estabilidade e Crescimento) e à efectiva implementação da Estratégia de Lisboa.

Caricato: A FP não eleger deputados para a mesma força política europeia.

1 Comments:

  • At 3:48 da manhã, Blogger O Raio said…

    Nos teus comentários falta um "pormenor" importante. Os portugueses estão-se nas tintas para a União Europeia e para o Parlamento Europeu.
    Dos antigos países da UE (dos 15) só a Suécia teve menor participação do que Portugal.
    Não duvido de que já pouca gente apoia este governo e os partidos que o integram. Mas das eleições para o PE não podemos tirar muitas conclusões.
    O mais significativo destas eleições (pela Europa fora) foi a taxa de abstenção e o surgimento, em força, de movimentos fortemente criticos do caminho que a UE está a tomar.
    Na sua imensa estupidez a resposta que a UE deu a este chamar de atenção foi a aprovação, à pressa, da Constituição Europeia...

     

Enviar um comentário

<< Home