Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quarta-feira, agosto 18, 2004

(137) Marcos da Banda Desenhada Americana: Os Super Heróis, da criação ao cinema


A BD na América... Posted by Hello

Gosto de Banda Desenhada, a chamada nona arte. As suas características parecem ser limitadas (face ao Cinema, Televisão e Literatura) para contar uma história de forma eficiente. Mas é injusto fazer comparações! Da mesma forma que um quadro não pode ser comparado com um livro. É uma forma diferente de contar uma história, de relatar um acontecimento, de usar a imaginação. A Banda Desenhada (BD) Americana criou o estranho Universo dos Super Heróis, que revolucionou a BD e quase a matou como arte.

Mas a BD com a temática de super heróis teve diversas fases, e nada melhor que reflectirmos sobre elas para melhor compreender o fenómeno. As principais companhias que misturam a ficção científica com heróis em fatos coloridos são a Marvel e a DC.

A chamada "Era Dourada" da BD deu-se no final dos anos 30 e início dos anos 40. Os editores de BD sentiram a necessidade dos leitores em ler histórias de heroísmo passadas em cenário de Guerra. Criaram-se super soldados que iriam garantir a superioridade Americana na Segunda Guerra Mundial. O melhor exemplo é o Capitão América, o maior sucesso da Marvel nessa Época rivalizando com o SuperHomem e o Batman da DC. O capitão América é um produto de experiências militares para criar o soldado perfeito. A superioridade moral dos EUA estava sublinhada e este herói é, antes de mais, uma manifestação de Patriotismo. As cores do seu uniforme são as cores da Bandeira Americana e as sua armas são defensivas (um escudo, o agressor é o inimigo... mas o escudo tem a capacidade de ripostar, note-se). O soldado perfeito, nobre e patriota, o ideal americano dos anos 40.

Quando a Guerra terminou, o Capitão América perdeu o seu objectivo. Pearl Harbor, o dia D e outros eventos eram passado e também este herói. Reeditado várias vezes nos anos 50, só ressurge nos anos 60 com toda a força para ser o bastião dos valores antigos, aqueles que a América julgava ter perdido. Com uma pequena mas importante nuance, a obediência aos líderes foi substituída pela defesa da liberdade. Foi a época da inocência, os super heróis só vingaram durante a guerra!

Continua... Os Super Heróis em crise...

4 Comments:

  • At 11:36 da tarde, Blogger polittikus said…

    A banda desenhada é acima de tudo umaarte, mas não se pode comparar com o cinema, concordo.

     
  • At 12:34 da manhã, Blogger BlueShell said…

    Sempre gostei de BD...mas agora acho que estou a ficar velha....

     
  • At 10:13 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Ricardo: antes de mais parabéns por teres tido mais de 2.000 visitas ao teu blog.
    Sei que gostas muito de BD e estou à espera de muitos mais posts.

     
  • At 1:57 da tarde, Blogger whiteball said…

    heheheh...lá vai o tempo em que eu tinha tempo para ler a BD. Mas gostava e acho que ainda gosto. É daquelas coisas que me descontrai...Abraço, WB
    (olha, Ricardo, gosto de vir aqui)

     

Enviar um comentário

<< Home