Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quinta-feira, setembro 09, 2004

(160) Debate Interno no PS

Apesar de muitos exageros estou contente que o PS esteja a passar por uma fase de clarificação interna. Hoje vi as entrevistas de José Sócrates (repetição) e Manuel Alegre. No geral, fiquei satisfeito com o que ouvi.

Sócrates esteve pouco sereno, até um pouco vago. Mas numa coisa marcou pontos comigo, não fez as propostas fáceis. Tem uma visão para Portugal e teve a humildade de esperar pela sociedade civil para concretizar as políticas concretas, já que o rumo já tem definido. Estranho, ou talvez não, é insistir no Candidato Presidencial Guterres e ao mesmo tempo dizer que é cedo para falar no Candidato à Câmara de Lisboa. Acho cedo para falar das duas candidaturas.

Alegre tem sido uma surpresa, mais sereno e consistente. Não é a esquerda que eu defendo actualmente (estou mais liberal hoje em dia) mas a segurança nas convicções tem-me deixado satisfeito. Falta-lhe a imagem de que pode levar o PS ao poder e isso pode-lhe ser fatal na hora da decisão dos militantes.

Não sei se vou ver a entrevista de João Soares mas não lhe vejo as qualidades políticas para ser Secretário Geral do PS, sem duvidar das suas convicções nem me esquecendo do trabalho que fez na Câmara de Lisboa, bem melhor do que o que Santana fez.

Que o debate continue porque da diversidade faz-se a união, mesmo após o Congresso. Sem atropelos mas com muita convicção. Espero que esteja a nascer uma nova fase na política portuguesa. Tenho esperança!

2 Comments:

  • At 2:14 da tarde, Blogger polittikus said…

    Gostava de saber porque motivo os candidatos apenas falam para fora do partido, quando têm de se preocupar com os militantes... além de burros, são autistas.

     
  • At 2:21 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Acho que nos debates internos nos partidos deve-se ter, antes de mais, em conta os interesses do país. Não me parece aceitável ser doutra forma, uma candidatura que não tenha como objectivo de fundo mudar Portugal não tem razão de ser. Quanto à própria reforma do PS parece-me mais credível tentar alterar o papel dos partidos de forma mais global. E que reforma eles precisam...

     

Enviar um comentário

<< Home