Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

terça-feira, agosto 31, 2004

(152) O Desespero da Verdade


The Scream, Edward Munch Posted by Hello

O que leva uma pessoa que vive em desespero, que chora compulsivamente em público e que grita a meio da rua que isto é tudo uma merda a parar de chorar e de gritar e calmamente verificar se tem as calças sujas? O nosso cérebro é um enigma, mas para funcionar precisa de relativizar tudo o que descobre e vê! Os verdadeiros "loucos" são aqueles que alcançaram a verdade, nua e crua. São aqueles que já não conseguem relativizar a percepção. Será que o desespero é o castigo daqueles que ousaram tentar entender o sentido da vida? Será que só conseguimos ser felizes na ignorância? Será que a felicidade só é atingida se centrarmos a nossa vida no acessório e tentarmos ignorar o quadro geral da nossa existência? Quem se atreve a responder?

2 Comments:

  • At 9:02 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Não me atrevo a responder - ou melhor, respondo com mais perguntas. O seu texto recorda-me aquele verso de Pessoa: "coitados dos felizes, porque são só o que passa"... A procura constante do sentido da vida pode levar-nos ao desespero, mas não é a arte, a literatura, isso mesmo - essa busca? E não é a arte, a literatura, que tantas vezes nos salva do desepero e do absurdo de um mundo dominado pelo acessório? :)

     
  • At 1:23 da tarde, Blogger polittikus said…

    De facto o nosso cerebro é a "máquina" mais complexa q já vi...

     

Enviar um comentário

<< Home