Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

domingo, outubro 03, 2004

(184) José Sócrates

O Partido Socialista tem um novo Secretário Geral e ganhou um novo fôlego. Há tres meses escrevi um post com o título Obrigado, Ferro! Transcrevo esta parte do texto:

"Mas vejo o nevoeiro a tomar conta do país, aí vem Vitorino ou Sócrates trazer uma nova credibilidade à oposição. Nesse aspecto Ferro pensou primeiro no PS e no país, enquanto Durão primeiro em si e depois no PSD e no país."

De facto Ferro Rodrigues saíu na altura certa apercebendo-se que tinha sido o principal responsável da decisão de Sampaio. Este Fim de Semana aproveitou para mostrar todo o azedume que a política lhe trouxe, magoado com Sampaio e com o tratamento que teve no processo Casa Pia. Mais uma vez obrigado, Ferro. A sua prematura saída permite que Ferro seja mais uma reserva forte no PS para as batalhas que se avizinham.

E Sócrates? Sai das primárias do PS e deste Congresso como nunca um Secretário Geral do PS recém eleito saíu. Sai como uma alternativa forte, como uma nova esperança para o país e, acima de tudo, com dois anos com um Governo já desgastado e com tempo para preparar um bom programa de Governo.

Como definir Sócrates? Nas últimas semanas todos têm-lhe colado rótulos. Uns de populista, outros de Guterrista, outros de direita. Mas Sócrates não me parece populista mas tem uma boa imagem, pode ser Guterrista mas foi a sua principal antítese e de direita parece-me ter muito pouco apesar de ser duma esquerda mais liberal com que eu me identifico actualmente. Nada tem a ver com o populismo de Santana Lopes, tem mais conteúdo e nunca foi um primeiro ministro fictício, nem na Televisão nem na realidade.

Sócrates é perigoso e Santana e Portas sabem isso. a primeira consequência da eleição de Sócrates foi a quantidade de rumores que PSD e PP vão concorrer sozinhos nas próximas legislativas. O medo de perderem o centro é real. Mas para mim o ponto fraco de Sócrates é uma certa arrogância que emite quando defende calorosamente os seus pontos de vista e ser um candidato com uma imagem demasiado urbana. Neste terreno o nosso Primeiro Ministro não eleito e o nosso Moderno Ministro da Defesa parecem-me mais fortes.

Uma coisa é certa... o país ficou a ganhar porque a oposição está mais forte e é uma alternativa credível. E Santana vai ter ainda mais pressão para corrigir este arranque catastrófico do seu Governo. Tenho que confessar que a minha esperança sai renovada com este líder do PS e já há muito tempo andava descrente de Portugal. Espero é que não seja mais uma desilusão como tantas que tenho tido com a política.

2 Comments:

  • At 9:39 da tarde, Blogger polittikus said…

    De facto a oposição está muito mais forte é bom para o país... pode ser que mude alguma coisa. Mas o nome que Sócrates deu à coisa não me convence...

     
  • At 2:17 da manhã, Blogger O Raio said…

    Acho Sócrates o melhor político que temos actualmente no país.
    Embora conceda que isso não é um elogio aí por além tendo em atenção quais são os outros, Santana, Portas, Cavaco, sei lá, tudo abaixo de qualquer classificação, ser melhor do que eles não é difícil.
    De qualquer forma fiquei satisfeito com a eleição de Sócrates para Secretário-Geral do PS.
    Acho no entanto que ele começou mal ao colocar o oportunista do Vitorino como número dois da sua lista.

     

Enviar um comentário

<< Home