Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quinta-feira, novembro 11, 2004

(231) DVD: The Manchurian Candidate (1962), de John Frankenheimen


"O Enviado da Manchúria" Posted by Hello


Foi o momento oportuno para visionar este filme já que fui ver o remake há poucos dias. A estrutura das duas versões é bastante semelhante mas há nuances importantes. Na versão de 1962 o "inimigo sem escrúpulos" era uma aliança comunista que colocava à prova a "grande" nação americana. É hilariante, leia-se uma ironia do destino, que o grande "inimigo sem escrúpulos" seja agora a "personificação malévola" do capitalismo que são as multinacionais.

O argumento tem tantas ou mais inconsistências que a nova versão, um verdadeiro desastre! Mas em 1962 vivia-se o auge da Guerra Fria e ainda compreendo a desonestidade intelectual usada para criar os estereótipos do "inimigo comunista". Na versão de 2004 tenho dificuldade em perceber qual foi a necessidade de fazer uma caricatura do "mal capitalista"! Até porque não era preciso recorrer a tanto surrealismo para explicar o que já acontece sem recurso a tecnologia inverosímel.

Convém realçar que houve pouco cuidado nas readaptações porque alguns diálogos e personagens que faziam sentido na anterior versão agora não fazem. Em defesa da versão da década de sessenta está o final mais hábil, porque é mais coerente com a incoerência do resto do filme, se é que me faço entender.

A questão dos títulos também é surrealista. "The Manchurian Candidate" no primeiro filme tinha como referência um local (onde os maléficos comunistas sujaram a mente do correcto soldado americano) e até aceita-se "O Enviado de Manchúria". Na versão posterior mantém-se o título original tendo como referência uma multinacional. Colocou-se de lado o "Enviado..." e escolhe-se o "Candidato da Verdade"? É tão ridículo que acaba por ser outro dos pequenos prazeres do filme já que os grandes estão ausentes!

3 Comments:

  • At 10:24 da manhã, Blogger O Micróbio said…

    http://www.manchuriancandidatemovie.com
    Aumentaste a minha curiosidade e tive de ir ver o site oficial do remake de 2004. Gostaria de o ver, pois um filme com a interpretação de Meryl Streep não é de perder...

     
  • At 1:49 da tarde, Blogger polittikus said…

    Já vi o filme sinceramente tem uma história, mas no remake fica-lhe a faltar qualquer coisa...

     
  • At 7:07 da tarde, Blogger Conchita said…

    Nunca vi este filme, nem tão pouco me apetece ver a nova versão. Mas falando de incoerências... não se andam a assumir tantas nos EUA, mesmo já não estando na guerra fria?

     

Enviar um comentário

<< Home