Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

sexta-feira, dezembro 10, 2004

(261) José Manuel veta Durão Barroso

A reestruturação do sector energético foi vetada pela Comissão Europeia, leia-se, pelo seu mentor! José Manuel esteve bem quando absteve-se de esgrimir argumentos na discussão da polémica pasta, mas não resistiu a votar favoravelmente o veto da Comissão Europeia. A Comissão alega, e eu concordo, que o negócio criaria uma situação de monopólio que ia afectar o preço final e, logo, os consumidores.

Que conclusão retirar do caricato voto de José Manuel? Que José Manuel, o Presidente da Comissão Europeia, acha que Durão Barroso, o Primeiro Ministro, ia prejudicar os portugueses. Não é a decisão da Comissão que ponho em causa porque concordo com ela já que evita um disparate nacional mas sim a posição de José Manuel. É sintomático o voto deste já que prova que é um político oportunista e, ao mesmo tempo, prova que o seu trabalho como Primeiro Ministro foi discutível já que nem o próprio concorda com o que elaborou.

Se Dali fosse vivo teria em José Manuel e em Durão Barroso um bom tema para mais uma das suas pinturas surrealistas. É que Durão tem tantas versões que já nem deve saber qual é o seu verdadeiro nome!

6 Comments:

  • At 10:29 da manhã, Blogger O Micróbio said…

    Muito sinceramente não percebi o que quiseste transmitir com este teu texto... Que José Manuel actuasse como Presidente da Comissão Europeia ou como Primeiro Ministro (que já não é...) de Portugal? Achas que o seu voto denotou falta de coerência? É sempre assim... leva-se por se fazer e leva-se por não se fazer. A máxima em vigor é sempre a mesma: "quando se é do contra, é do contra até ao fim"!

     
  • At 2:52 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Carlos (Micróbio)... Durão Barroso quer ser conhecido na Europa como José Manuel. Além de ter mudado de nome parece que também perdeu a memória! É que vetar uma proposta que ele próprio elaborou é, no mínimo, caricato!

     
  • At 3:27 da tarde, Blogger Didas said…

    Isso não é bem surrealista, é mais impressionista, ou seja, até mete impressão.

     
  • At 4:16 da tarde, Blogger O Raio said…

    Independentemente de achar ou não que a proposta do ex-governo português era boa há aqui várias coisas a levar em conta:
    a)Quando o Durão foi para presidente da Comissão houve quem afirmasse de que era optimo termos um português a defender a nossa posição como Presidente da Comissão. Se o gajo nem as suas propostas defende estamos a ver como serão as outras.
    b)Quer o Durão quer a Comissária da concorrência utilizaram este chumbo para provarem a sua independência. Por outras palavras, fomos usados para outros mostrarem que eram independentes...
    c)Foi a primeira vez em três anos que a Comissão chumba uma proposta deste tipo.
    Mais uma vez se demonstra a perniciosidade da União Europeia.
    Cada vez tenho maior dificuldade em perceber como é que ainda há quem apoie a nossa "pertença" a um clube deste jaez!

     
  • At 4:54 da tarde, Blogger polittikus said…

    Uma boa critica e bastante sincera. Creio q o rapaz pensa que se chama José Suicídio.

     
  • At 5:26 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Raio ... já reparaste que, apesar das tuas criticas serem justas, nem vais ao fundo da questão. O argumento português era de que temos que considerar o mercado Ibérico ... nada mais ridículo, como bem sabes! Os Portugueses iam, de facto, ficar prejudicados e a Cpmissão Europeia travou isso. O voto de Durão é que é inacreditável!

    O resultado deste negócio, seja qual fosse a perspectiva, ia criar um monopólio energético. Na perspectiva da UE um monopólio nacional e na perspectiva portuguesa só um monopólio regional porque quase nos anexaram a Espanha no qe toca ao sector energético. Apesar de concordar com as tuas alíneas acho que a essência da questão não abordaste.

     

Enviar um comentário

<< Home