Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

domingo, janeiro 08, 2006

700. Angela Merkel e Guantanamo


Angela Merkel

"Uma instituição como Guantanamo não pode nem deve existir assim, é preciso encontrar outras formas de lidar com prisioneiros"
Angela Merkel - Der Spiegel

Fico muitas vezes prematuramente deslumbrado com as atitudes públicas de quem acaba de assumir os seus cargos. E, também muitas vezes, passados uns meses tornam-se rapidamente parte dos que ignoram ou encobrem o que não convém ser revelado na cena internacional. Tornam-se cúmplices dos silêncios que permitem que o Direito Internacional e os Direitos Humanos só funcionem para alguns.

Não sei se vai acontecer o mesmo com Angela Merkel. Talvez esteja prematuramente deslumbrado mas não posso deixar de enaltecer a intenção desta em defender, na sua visita aos EUA na próxima semana, o fim da prisão de Guantanamo. Não sei qual vai ser a reacção de George W. Bush mas o importante é começar a fazer uma pressão real e convicta para que o mundo volte à normalidade no respeito pela lei internacional e pelos direitos humanos.

Se eu fosse um diplomata americano já não sabia, no contexto actual, como tentar chamar à razão alguém que sequestra e tortura um jornalista ou um soldado americano. Com que moral ficamos se deixarmos que se faça exactamente o que criticamos que os outros façam?

6 Comments:

  • At 1:55 da tarde, Blogger Frederico said…

    Penso exacatmente o mesmo.
    Aliás, quando a Comissária Ema Bonino disse que o Alqueva poderia não avançar, uma vez que os subsidios europeus ainda não estavam decididos, Jaime Gama, no seu primeiro mês de mandato como Ministro dos Negócios Estrangeiros respondeu: "A senhora comissária está equivocada. Não sabe que os investimentos são decididos pelos países membro. Os subsidios é que são decididos na CE. Mas com o sem subsidios, Portugal já tomou uma decisão!"

     
  • At 2:28 da tarde, Blogger Zecatelhado said…

    Bonitas as palavras. Quem como a Alemanha tem gravado a ferro e fogo no peito para sempre o fantasma destes sítios perversos?

    Um @bração do
    Zecatelhado

     
  • At 3:14 da tarde, Blogger polittikus said…

    somos da mesma opinião, apenas um reparo. Não sabes como Bush irá reagir... vai fazer ouvidos de mercador.

     
  • At 12:41 da manhã, Anonymous Max @ Devaneios Desintéricos said…

    Amigo Ricardo,

    receio bem estares a ser ficar prematuramente deslumbrado. Angela Merkel está à frente de um governo de coligação CDU/CSU com o SPD de centro-esquerda. Existem ainda, e por incrível que pareça, sectores mais à esquerda dentro do SPD cujas hostes devem ser acalmadas. A bem de uma coligação que todo e qualquer alemão sabe frágil, não obstante a forte representação que tem no Bundestag. É isso a política: gestão de conivências e hipocrisias várias; articulação de silêncios coniventes e discursos mais, ou menos, estudados. Mais do que palavras, contam os actos. E quando chegar à altura decisiva (a próxima, deverá ser o que fazer com Teerão) Merkel estará com Bush.

    Um abraço

     
  • At 10:27 da manhã, Anonymous bravo said…

    Não sei se Merckel disse o que disse para agradar ao SPD. Sei, sim, que disse o que é preciso ser dito. Casos como o de Guantanamo são inaceitáveis. Ponto final.

     
  • At 2:59 da tarde, Blogger G. Mbeki said…

    Concordo que o que a chanceler alemã disse devia ser dito, mas também me parece que o disse apenas para agradar a alguém dentro da Alemanha. Para o Bush, a Angela Merkel não é ninguém, e muito menos na questão de Guantánamo. E ela também sabe disso. Mas precisava de conquistar um qualquer nicho de opinião pública. É a manipulação e o oportunismo político...

     

Enviar um comentário

<< Home