Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quinta-feira, fevereiro 02, 2006

766. Ainda sobre as armas nucleares no Irão


Armas Nucleares no Irão?

Eu também estou de acordo que o Irão não tenha armas nucleares! Aliás, na generalidade, não vejo a utilidade no uso destas armas. Como já referi a justificação para a posse das armas não é clara porque se são só de dissuasão então nunca podem ser utilizadas, mesmo pelas sociedades ocidentais.

Imagine-se que alguém usava a arma, por exemplo, a França, Israel ou os EUA. As ondas de choque - não da arma, mas diplomáticas - poderiam causar efeitos nefastos para quem a utilizou. Então se as armas só têm utilidade na dissuasão quem as pode possuir? É aqui que surge o grande problema, ou seja, a questão das armas nucleares não é se é errado ou não possuí-las mas sim quem as possui. A grande questão é que o mundo ocidental não quer que o islão o possua. Nem sequer é uma questão geográfica uma vez que Israel tem acesso a armas nucleares, simplesmente o islão não as pode ter. Mas parece-me inevitável que isso vá acontecer, mais cedo ou mais tarde.

No meio de toda esta hipocrisia não há lugar a uma discussão séria no desmantelamento de armas nucleares mas sim a uma obsessão no discurso de que alguns países não podem ter estas armas e ponto final. O que se segue? Um ataque aéreo aos locais onde se julga estas estarem a ser fabricadas - com excepção da Coreia do Norte porque não é diplomaticamente conveniente, do Paquistão e da Índia porque estão aparentemente domados - e uma retaliação do Irão ou um ataque nuclear do Irão a Israel? Eu acredito mais na primeira hipótese e julgo que o Irão nunca enviaria uma bomba nuclear a Israel como este país nunca enviaria ao Irão. E porquê? Porque este tipo de armas, afinal, só tem utilidade na dissuasão! Para armas de ataque com destruição em massa os EUA são os mais indicados para explicarem quais as que são realmente eficazes e com menores custos diplomáticos.

Agora voltemos à hipocrisia do mundo que promete ser um local cada vez mais surreal para viver!

Technorati Tags: , ,

8 Comments:

  • At 2:09 da tarde, Blogger polittikus said…

    Já o escrevi neste blog. isso ainda vai dar guerra...
    Nenhum dos lados vai querer ceder.

     
  • At 6:36 da tarde, Blogger O Raio said…

    Caro Ricardo,

    Se queres saber para que é que servem as armas nucleares, dá um pulhinho a Piongyang (Coreia do Norte) e pergunta ao Kim Jong Il...
    É que ele tem a bomba e também tem misseis. E, por engano, já lançou um que caíu no mar depois de sobrevoar o Japão. Claro que pediu desculpa pelo engano mas os japoneses ficaram a saber que caso não se portem bem podem apanhar com uma bomba atómica em cima.
    Segundo a Coreia do Norte os seus misseis são capazes de atingir qualquer local do mundo.
    Os especialistas ocidentaius duvidam disso mas concordam que o Hawai está ao seu alcance e provavelmente Los Angeles também.
    Resultado os três países do eixo do Mal eram o Iraque, Irão e Coreia do Norte, o Iraque, que não tinha a bomba foi o que se viu, o Irão que ainda não tem a bomba está em risco, quanto à Coreia do Norte que tem a bomba, negoceia-se...
    Não duvido de que se não tivessem a bomba o relacionamento seria totalmente diferente.

    Um abraço

     
  • At 8:00 da tarde, Blogger A. Cabral said…

    Caro Raio,

    Ja tinha lido esta comparacao e habitualmente queda-se aos pes da conclusao que o Bush nao e assim tao valente como se faz. De resto, so verificar que a Coreia do Norte e mais um entre demasiados que nao devia ter bomba nenhuma. Mas esse debate ninguem nos deixa ter.

     
  • At 8:32 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Raio,

    Confirma-se, pelo teu texto, que só servem mesmo para dissuasão!

    E também acredito é que a Coreia do Norte não tenha os recursos naturais suficientes para a Administração Americana pagar o "outsourcing" da reconstrução à Halliburton.

    Deste ponto de vista parece-me é que alguns países querem é proteger essa vantagem diplomática. De forma ingçória, digo eu!

    Abraço,

     
  • At 2:33 da tarde, Blogger O Homem das Ilhas said…

    Só para dizer que as Armas Nucleares, ou melhor, possuir Armas Nucleares tem uma finalidade muito importante em Relações Internacionais e Diplomacia (permite ao Estado um maior poder negocial)...

    Por exemplo, um Estado só é considerado Super-Potência se as possuir ...
    Mais, um Estado só se afirma como Potência Regional se as possuir, ou possuir tecnologia Nuclear ...

    Não é por acaso que Israel, Brasil, Argentina, Àfrica do Sul, Líbia, Coreia do Norte, Índia, Paquistão, só para falar dos mais conhecidos, têm ou estão em vias de ter tecnologia Nuclear.

    O problema, na minha opinião, não é ter conhecimentos ou tecnologia Nuclear. O problema é daí, partir para o enriquecimento do Urânio, e construir os mísseis que os permitam lançar a bomba ...

    Se por um lado, não se pode recusar que um Estado Soberano (por muito que não gostemos o Irão é um Estado Soberano)pesquise e adquira tecnologia Nuclear, por outro, a posse dessa tecnologia pode descambar para uma utilização militar ou militarista ...

    E, claro, que todos temos consciência que o Irão, mais cedo ou mais tarde, irá utilizar essa tecnologia contra, principalmente, Israel.

    De referir ainda que todo o conhecimento ciêntífico e tecnológico, relacionado com o Nuclear, foi, é e será cedido sempre pelas potências Nucleares existentes (ex: Israel-USA; Índia-Rússia; Paquistão-França; Irão-Rússia; Coreia do Norte-China; etc..)por isso acho que o problema vem de trás.

    Assim, na minha opinião, as grandes potências, nomeadamente as que são membros permanentes do Conselho de Segurança são as grandes responsáveis desta situação !

    A ver vamos se conseguem descalçar esta bota! Mas não estou muito optimista. Como disse em cima o Polittikus, isto ainda vai dar guerra !!!

     
  • At 2:45 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Caro Homem das Ilhas,

    Antes de mais folgo o teu regresso às lides da blogosfera.

    Não considero o teu texto contraditório com o meu mas quero reforçar duas ideias:

    1. O que achas mais provável: os EUA (com a ajuda da UE porque os défices americanos não dão para mais uma aventura igual à do Iraque) atacarem o Irão por este estar a desenvolver tecnologia nuclear ou o Irão, sem ser atacado, usar a arma contra Israel? É que eu acho a segunda hipótese tão improvável, mas tão improvável, que tenho dificuldade em perceber o problema;

    2. Como já disse a utilidade de armas nucleares encerra-se na dissuasão e na diplomacia porque a sua utilização é inviável. Se o Irão a utilizar já sabe que vai perder mais do que ganhar porque aí há uma imediata coligação de forças para derrubar o regime.

    Posto isto volto a sublinhar que o que realmente está em jogo é a questão do mundo ocidental só querer que uns tenham as armas e não tem nada contra as próprias armas. Lamento desiludir o mundo ocidental mas sem um desarmamento sério de todas as partes não há exigência que consiga ser compreendida duma forma racional e desenganem-se aqueles que pensam que vai ser possível controlar este fenómeno de proliferação. Estou mais preocupado, confesso, é quando a tecnologia permitir que grupos, e não só países, fabriquem estas armas.

    Abraço,

     
  • At 8:02 da tarde, Blogger O Homem das Ilhas said…

    O meu texto não pretendia ser contraditório em relação ao teu ...
    só queria reforçar aquelas ideias ...

    Mas, claro, que concordamos que o desarmamento é única solução ...
    O problema é exactamente esse.
    Se nós não conseguimos desarmar Israel, que é a principal causa para qualquer país árabe desejar armas nucleares ....
    Como podemos imaginar um desarmamento completo, inclusive o das super-potencias?

    P.S.-Na minha opinião a questão nuclear não se encerra na diplomacia e na detente ... Senão, e perdoa-me a frieza, nunca tinham sido utilizadas ... É o poder coercivo máximo, e por isso, e só por isso, é usado poucas vezes, o que não quer dizer que não seja usado.

    P.S.-Retiro das tuas palavras a concepção de equilíbrio estadual, o que tem todo o sentido, o problema é que, historicamente, esse equiíbrio foi sempre atingido através de conflitos. Sempre!

     
  • At 2:42 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Homem das Ilhas,

    Novamente sublinho, a par do que tu fazes, que estamos basicamente de acordo.

    1. "Se nós não conseguimos desarmar Israel, que é a principal causa para qualquer país árabe desejar armas nucleares ...."

    Era um passo importante mas voltamos ao mesmo problema, ou seja, como convencer Israel a não ter armas nucleares se outras potências democráticas possuem essas armas?

    2. "Senão, e perdoa-me a frieza, nunca tinham sido utilizadas"

    As armas nucleares só foram usadas, em contexto de guerra, no início. Após a ampla divulgação mediática dos seus efeitos nunca mais foi usada.

    Abraço,

     

Enviar um comentário

<< Home