Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

terça-feira, maio 31, 2005

(434) Durão Barroso imparável!

"O presidente da Comissão Europeia defendeu a continuação do processo de ratificação do tratado constitucional, sublinhando que "nove Estados membros representado metade da população da UE já ratificaram a constituição europeia"
DN

Quanta cegueira! Este tratado está morto conforme as indicações da própria UE, ou seja, para ser ratificado tem de merecer a aprovação de todos os Estados membros!

Vamos matar a UE discutindo em referendo um documento já morto? Será que ninguém percebe que discutir um documento que já foi rejeitado vai fragilizar de morte a UE? Será que Durão não percebe que tem que ser pragmático e modificar o Tratado para algo simples que sirva unica e exclusivamente para fazer frente ao alargamento?

Porque estará este senhor a matar a UE? Será que também quer receber uma medalha de serviços públicos prestados?

12 Comments:

  • At 3:46 da tarde, Anonymous O Velho da Montanha said…

    Meu caro Ricardo. Se de início o texto do Tratado da Constituição Europeia fosse um documento simples, regulador das instituições e relações entre os países, até eu poderia votar SIM. Agora um tratado com quase 500 páginas, centenas de anexos, que pretende regular tudo até aos mais infímos pormenores é um tremendo risco, além de uma especificidade única: Acaba com a unanimidade para a tomada de decisões, previlegiando a maioria qualificada, no entanto para alterar o Tratado é exigida a unanimidade dos Estados Membros. É como as tatuagens, fazem-se numa noite de bebedeira e depois carregam-se no corpo para o resto da vida. Pense nisso!

     
  • At 4:11 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Caro Velho,

    Por ser necessário neste momento "um documento simples, regulador das instituições e relações entre os países" é que eu defendo que esta atitude de Durão Barroso não é compreensível.

    Por muito que discorde ou concorde do conteúdo do Tratado (que eu achava um passo positivo) não posso continuar a defendê-lo uma vez que exigia a unanimidade dos Estados Membros.

    O que escrevi neste post pretende alertar que discutir um Tratado que já está ferido de morte (ou mesmo morto) em referendo é um absurdo que vai levar a UE a uma crise ainda maior. Mais vale enterrar o defunto Tratado e criar o tal "documento simples, regulador das instituições e relações entre os países" para que a UE não paralise!

    Abraço,

     
  • At 4:17 da tarde, Blogger Armando S. Sousa said…

    A ratificação penso eu tem que se fazer mesmo que para rejeitar o Tratado Constitucional. Não tem sentido que um país, ao rejeitar decida por todos os outros. Antes de tudo, todos os países fazem a ratificação e em Novembro de 2006, logo se vai ver o que a Europa vai parir.Na minha modesta opinião não vejo a parir nada.
    Um abraço.

     
  • At 4:25 da tarde, Blogger Carlos Barros said…

    há coisas que não lembram a ninguém..e a vontade de algumas pessoas é inabalavel para dizer o que não sentem..mas o poder é mais forte que tudo

     
  • At 4:31 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Armando,

    Essas não eram as regras do jogo! Um país podia, de facto, decidir por todos. Se não queriam estas regras tivessem, à partida, enunciado outras.

    Se, à luz destas regras, vamos ter referendos sobre algo que os próprios consideram exigir a unanimidade vamos estar a fazer um exercício de auto mutilação.

    E isso eu nem ninguém com o mínimo de bom senso deve querer!

    Abraço,

     
  • At 4:34 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Carlos...

    Antes de mais obrigado pela visita e pelo comentário!

    Eu tenho a forte convicção que Barroso não está a fazer nada bem à UE. E quando eu acredito em projectos não vai ser a nacionanlidade das pessoas que me vai levar a dizer o que não sinto.

    Não sei se é o poder ou outras razãoes mas a realidade é que este exercício de auto mutilação que Barroso está a promover custa, e custa muito, a aceitar.

    Abraço,

     
  • At 5:55 da tarde, Blogger Pedro F. Ferreira said…

    Viste bem o sorriso estúpido que Durão apresentava nas beiças?

     
  • At 6:10 da tarde, Blogger Ricardo said…

    HMémnon...

    Não, não reparei! Mas deve ser o sorriso de quem nem sabe o que se está a passar, leia-se, o começo do seu fim...

    Abraço,

     
  • At 8:00 da tarde, Blogger O Raio said…

    Custa-me muito vir em defesa do Durão Barroso mas ele disse o que devia.
    O que vem na Constituição é que se em Novembro de 2006 alguns países não tiverem conseguido ratificar o Tratado o Conselho Europeu reune-se e discute o assunto.
    Durão não podia exprimir outra opinião e ir contra o que vem escrito na Constituição.
    É que isto correu mal. A ideia do Giscard era correr com o Reino Unido, não era correr com a França...

     
  • At 8:05 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Raio...

    Isto está a correr mal é para todos nós!

    Eu acho que seguir em frente neste momento sem ter em conta o referendo francês vai tornar todos os referendos exercícios de perda de tempo, credibilidade e energia.

    Durão precisava ter dado um golpe de rins para que a Europa não se torne nem paralisada nem inicie um "interminável" processo de auto mutilação.

    Abraço,

     
  • At 12:20 da tarde, Blogger O Raio said…

    Ricardo,

    Pois é, o erro está feito.
    Qualquer solução agora é má.
    Se se param os referendos a Constituição está morta e enterrada.
    E não se sabe o que fazer a seguir.
    Se continuam arriscamo-nos a ver grande parte dos países ou votarem "Não" ou, pelo menos, termos votórias do "Sim" à tangente e, quem está ferido de morte é a União Europeia.
    Por mim acho isto bom para todos nós e, concordo, que numa perspectiva como a tua, obviamente errada mas que respeito, o melhor era suspender os referendos.

     
  • At 4:34 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Raio...

    Se é errada ou não só o tempo o dirá! Nenhum de nós pode saber, neste momento, qual é a melhor estratégia...

     

Enviar um comentário

<< Home