Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

sexta-feira, junho 03, 2005

(438) Sala de Cinema: Star Wars: Episode III – Revenge of the Sith



Realizador: George Lucas
Elenco: Ewan McGregor, Hayden Christensen e Natalie Portman

É verdade que este filme é mais “negro” e “trágico” que os dois anteriores. Sim, também é verdade que há uma interligação bem conseguida com o primeiro filme da Guerra das Estrelas. E também é verdade que quando alguém começa um texto como eu comecei já todos sabem que depois vem o “mas”...

Mas... o problema deste filme é que não consegue ultrapassar os defeitos dos dois anteriores, ao contrário do que a campanha de marketing do filme nos quer convencer. Não consigo explicar porque é que funcionaram tão bem os filmes de aventura nos anos 70 e 80 e porque é que agora parece ser impossível recuperar esse espírito. Mas a verdade é que o que parecia natural há 20 anos hoje em dia não funciona. O humor parece forçado e os diálogos sofríveis.

No fundo o que falta a esta triologia e que a última tinha para dar e vender é alma! Sim, esta nova triologia tem magníficos efeitos digitais (mas também alguns mal conseguidos) mas a acção acaba por ser confusa e desprovida daquele humor ingénuo (que estranhamente funcionava) da outra triologia. As interpretações não estão ao nível das expectativas e destaco a falta de química entre Hayden e Natalie (sem falar nos diálogos que pareciam retirados duma telenovela mexicana) e a irreconhecível interpretação de Samuel L. Jackson que não devia saber que o tom da triologia não era voluntariamente de série B. Só escapa Ewan McGregor que, mesmo assim, não faz esquecer o papel de Harrison Ford na triologia.

Esta nova triologia ainda vive do magnífico episódio V e às relações familiares (trágicas) que este filme criou na saga. Estranhamente (ou não) esse episódio não foi realizado por George Lucas...

Síntese da Opinião: Só para quem tem saudades da voz de James Earl Jones e do penico preto que Darth Vader usa.

8 Comments:

  • At 1:02 da tarde, Blogger Conchita said…

    epá, com ou sem penico, eu adorei*

     
  • At 1:12 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Conchita ...

    Que seria do Star Wars sem aquele penico? hehe

     
  • At 2:30 da tarde, Blogger Ruvasa said…

    Viva!

    Queres juntar-se a nós?

    http://ruvasa.blogspot.com/2005/06/399-comisso-de-luta-contra-excluso.html

    Cumprimentos

    Ruvasa

     
  • At 5:26 da tarde, Blogger Pedro F. Ferreira said…

    Este filme não me convence.

     
  • At 6:09 da tarde, Blogger lazuli said…

    Tenho exactamente a opinião que tens, Ricardo..
    Perder coisas como o "penico", é tirar a alma ao filme;)
    Um beijo

     
  • At 8:44 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Caro Ruvasa,

    Como apercebi-me de intenções contraditórias nessa iniciativa (se é para atacar previlégios do passado ou do futuro) não quero compremeter-me com algo que não sei se estou de acordo. Os sacrifícios têem que ser globais e há situações de injustiça óbvios mas essa revisão só deve afectar o futuro, não o passado.

    Obrigado pelo convite e um abraço,

     
  • At 8:46 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Hmémnon...

    Eu tinha que ir ver! Cresci a assistir à saga e mesmo desconfiando que o filme ia ser mais parecido com os dois anteriores do que com os originais, tinha que ir ver...

    Abraço,

     
  • At 8:51 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Lazuli...

    Que saudades da primeira triologia onde o humor estava de mãos dadas com o drama duma forma ligeira mas não forçada. Até o "penico" parecia mais assustador...

    Beijo,

     

Enviar um comentário

<< Home