Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quinta-feira, novembro 17, 2005

626. Em nome da coerência



"o candidato que apresenta as melhores condições para Portugal encontrar novos caminhos"
Alberto João Jardim a declarar o seu apoio e do PSD Madeira a Cavaco, Outubro 2005

"O comportamento do senhor Silva é causa de expulsão do partido"
Alberto João Jardim a falar de Cavaco Silva durante a pré campanha para as últimas legislativas

"brigada do reumático, que deve ser banida"
Alberto João Jardim referindo-se a Cavaco, no Carnaval deste ano

"De cómico, valha-nos isto, é o facto de aparecer a "moção chá canasta", de gente que do partido nada percebe, que alimenta um sebastianismo saloio e tecnocrata que "já deu uvas", com uns "tios" e "tias" que fariam um grande favor em, ao menos por uns tempos, não nos chatear"
Alberto João Jardim, durante o Congresso do PSD que elegeu Marques Mendes em abril deste ano

10 Comments:

  • At 1:04 da manhã, Blogger Arrebenta said…

    Metadiálogos de Boliqueime (XII)



    -- Ó, avó...

    -- Sim, meu amor?...

    -- Sabe o que aconteceu hoje no colégio?...

    -- Não, querido, conta lá à avó...

    -- Então, viraram-se para mim, e disseram: "és tu que és o neto do Cavaco, não és?..."

    -- E?...

    -- ... e...

    -- ... e tu disseste logo que SIM, que eras um dos netinhos do homem que pôs Portugal no Pelotão da Frente dos países da C.E.E., do homem que deu a Portugal a melhor rede de estradas da Europa, do homem que transformou cada português num licenciado, no homem que transformou a Agricultura, a Indústria e os Serviços nacionais num exemplo para toda a Europa, no homem que agarrou nos hospitais e fez deles centros de repouso e lazer, do homem que limou o peso do Estado até ele ter o peso de uma pluma, do Grande Timoneiro, do amigo dos mais desfavorecidos, dos que sofriam, dos que nada tinham, daquele grande homem que tributou as fortunas para que os miseráveis não fossem tão miseráveis, que impediu que houvesse sem-abrigo, desempregados, gente sem esperança pelo país inteiro, do homem que fez do urbanismo português uma regra mundial, do Exterminador dos Corruptos, do Caçador dos Não-Pagadores de Impostos, do homem que era capaz de mandar fechar um Banco para instalar lá um lar da Terceira Idade, do HOMEM que levou a Cultura Portuguesa ainda Além da Taprobana...

    -- Ai, não, vó, nada disso!!!...

    -- Então, amor?...

    -- (silêncio) ... eu disse que...

    -- ... que...

    -- ... que não conhecia, que era dos Cavacos, sim mas dos Cavacos de Fornos de Algodres... (chora) Ai, vó, eu tive tanto medo!... Se a avó visse o ar com que eles me perguntaram se era eu que era o netinho do Cavaco!!!!!!... (chora)

    (cai o "naperon")

     
  • At 10:02 da manhã, Blogger pindérico said…

    Mas,caro Ricardo, o Alberto é de uma coerência inquestionável! Há, pelo menos 30 anos, que só diz asneiras.

     
  • At 1:58 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Pois é o Albertini é sempre o mesmo!!

     
  • At 11:08 da tarde, Anonymous C.Indico said…

    A má moeda está a afastar a boa moeda.
    Foi o Anibal que disse.

     
  • At 11:38 da tarde, Blogger Bruno Gonçalves said…

    O que seria mais incoerente?


    AJJ votar num candidato socialista?

    ou

    Votar num social-democrata, com quem se deu mal no passado?

     
  • At 12:38 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Bruno,

    O "passado" que falas tem poucos meses! E não se trata de pequenas discordâncias mas sim de expulsar uma pessoa do partido e bani-lo do país...

    Mas se é para não prestar muita atenção ao que AJJ diz então estamos de acordo.

    Abraço,

     
  • At 12:37 da tarde, Blogger Bruno Gonçalves said…

    Caro Ricardo,

    o passado de que falo é algo relativo. É verdade que pode ser apenas alguns meses, mas com um esforço de memória conseguimos recuar mais alguns anos...

    Quanto a "não prestar atenção", eu diria antes, saber filtrar o que AJJ diz...

    Abraço

     
  • At 12:37 da tarde, Blogger Bruno Gonçalves said…

    Caro Ricardo,

    o passado de que falo é algo relativo. É verdade que pode ser apenas alguns meses, mas com um esforço de memória conseguimos recuar mais alguns anos...

    Quanto a "não prestar atenção", eu diria antes, saber filtrar o que AJJ diz...

    Abraço

     
  • At 12:48 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Bruno,

    Quanto mais recuarmos mais afirmações de profunda discordância entre AJJ e CS encontramos. E não se tratam de meras discordãncias pontuais mas de afirmações que roçam o campo pessoal com algum mau gosto.

    Mas o meu objectivo não é o de condicionar o voto de ninguém e muito menos ensinar alguém a ser coerente - ninguém o é a 100%. Apenas chamei a atenção para o ridículo de certas situações...

    Abraço,

     
  • At 12:45 da manhã, Anonymous bem litrado said…

    De facto, não consigo perceber como é que o AJJ consegue fazer ouvir a sua voz. Ninguém lhe devia dar atenção. O homem só diz asneiras (talvez por isso se perceba porque é ouvido, a malta gosta de se rir, às vezes...).
    Será que o AJJ foi sempre assim? Como é que conseguiu subir ao poder e permitir-se um pouco de tudo hoje em dia? Há-de ficar conhecido como AJJ, o incoerente asneirento.

     

Enviar um comentário

<< Home