Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quarta-feira, novembro 16, 2005

624. Mais críticas ao voto do PSD no Orçamento

A direcção do PSD está sobre fogo cerrado por causa do voto contra ao Orçamento de Estado para 2006. Eu já tinha demonstrado a minha surpresa na forma escolhida para criticar um Orçamento que em tudo era melhor aos anteriores dos governos da coligação (aqui) e não fiquei surpreso com as declarações de Manuela Ferreira Leite (aqui) - apesar de discordar de algumas das suas conclusões - mas agora até Miguel Beleza e Eduardo Catroga criticam o chumbo do PSD no Orçamento.

Eu diria que Marques Mendes perdeu uma excelente oportunidade de mostrar que era um político corajoso. Agora está preso nas suas próprias incongruências...

Nota: Não estava à espera de muita lucidez por parte do PSD a partir do momento que o deputado escolhido para criticar o Orçamento na Comunicação Social foi o deputado "choque fiscal" Frasquilho

1 Comments:

  • At 12:56 da manhã, Anonymous bem litrado said…

    De facto, independentemente do partido político (PS ou PSD), a reviravolta a que se assiste quando estes partidos passam de governo a oposição e vice-versa, é absolutamente atentatória à inteligência dos cidadãos e deveria por si só dar origem a uma limpeza popular destes políticos inqualificáveis. Não têm mesmo nível nenhum e quando se dizem preocupados com Portugal e os Portugueses estando na política para os servir, aí está a prova inequívoca do contrário: estão na política para se servir.
    Se compararmos este estado de coisas com o país vizinho, reparem que mudou o governo mas ninguém vislumbrou mudanças que pudessem pôr em causa o rumo da economia espanhola. O actual governo não teve problemas em aproveitar o que de bom tinha herdado do anterior. No nosso país, pior do que muitas mudanças de governos é muitas mudanças de políticas governativas, sem nexo. Isto é que nos mata.

     

Enviar um comentário

<< Home