Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

domingo, dezembro 18, 2005

664. Fotografias da Visão (3 de 3)

A Visão online tem um conjunto de fotografias dos candidatos que convém comentar com uma pitada - a receita também leva açucar - de ironia.


Fotografia de António Xavier

Não é difícil de adivinhar o que foi dito - nesta e noutras ocasiões - por Jerónimo de Sousa: "Contra o capitalismo selvagem, a exploração do homem pelo homem, o neoliberalismo, a globalização sem regras... Avante, camaradas"!


Fotografia de Inácio Ludgero

Francisco Louçã também quer um cargo numa futura coligação com o PS e pelo que podemos ver pela imagem é o de Ministro do Ambiente, substituíndo Isaltino Morais como o Ministro que deixa um rasto de poluição por onde passa.


Fotografia de Inácio Ludgero

Será a caricatura do político ou um político que é uma caricatura?

Nota adicional

"Frequentou a escola pública em Lisboa no Liceu Padre António Vieira (prémio Sagres para os melhores alunos do país), o Instituto Superior de Economia (prémio Banco de Portugal para o melhor aluno de economia), onde ainda fez o mestrado (prémio JNICT para o melhor aluno) e onde concluiu o doutoramento em 1996. Em 1999 fez as provas de agregação (aprovação por unanimidade) e em 2004 venceu o concurso para Professor Associado, ainda por unanimidade do júri. É professor no ISEG (Univ. Técnica de Lisboa), onde tem continuado a dar aulas e onde preside a um dos centros de investigação científica (Unidade de Estudos sobre a Complexidade na Economia).

Recebeu em 1999 o prémio da History of Economics Association para o melhor artigo publicado em revista científica internacional. É membro da American Association of Economists e de outras associações internacionais, tendo tido posições de direcção em algumas; membro do conselho editorial de revistas científicas em Inglaterra, Brasil e Portugal; “referee” para algumas das principais revistas científicas internacionais (American Economic Review, Economic Journal, Journal of Economic Literature, Cambridge Journal of Economics, Metroeconomica, History of Political Economy, Journal of Evolutionary Economics, etc.). Foi professor visitante na Universidade de Utrecht e apresentou conferências nos EUA, Inglaterra, França, Itália, Grécia, Brasil, Venezuela, Noruega, Alemanha, Suiça, Polónia, Holanda, Dinamarca, Espanha.

Publicou artigos em revistas internacionais de referência em economia e física teórica e é um dos economistas portugueses com mais livros e artigos publicados (traduções em inglês, francês, alemão, italiano, russo, turco, espanhol, japonês).

Terminou em Agosto um livro sobre “The Years of High Econometrics”, que será publicado brevemente nos EUA e em Inglaterra."

Fonte: Wikipédia

É impressionante o currículo de Francisco Louçã como economista (ao contrário de outros pretensos economistas de sucesso). Fico sem perceber como um homem com esta capacidade de análise e com esta preparação incomum recorre a um discurso alimentado de frases feitas e lugares comuns bombásticos. Um dia ainda gostava de perceber o apelo que este faz à política de declarações fracturantes em vez do recurso a uma pedagogia - à procura de consensos - sobre políticas económicas e sociais mais adequadas às realidades actuais, algo que este político tem provas de que é profundo conhecedor.

8 Comments:

  • At 7:34 da tarde, Blogger Fernando said…

    Mas é pedagogia politica que ele faz todos os dias, Ricardo. Bem diferente é o uso que os OCS dão às sua posições, buscando as frases mais bombásticas. Se alguma vez tivesses a oportunidade de assistir a um debate público em que ele fosse interveniente, irias comprovar que ele fala para uma plateia de cinco pessoas da mesma maneira que fala para 100 pessoas. Com sobriedade, esclarecedor, documentado e fundamentando as suas posições. Aconteceu isso nos debates televisos, com as limitações que o modelo comporta. Agora fazer pedagogia não é necessáriamente procurar consensos, pelo contrário, neste momento, é mesmo de roturas que o Páis precisa para acordar desta ideia que só há este caminho. Como tu dizes sendo ele um profundo conhecedor das questões económicas e financeiras como poucos, isso só pode significar que ele preconiza um caminho diferente do que vem sendo seguido. E isso não é um mal pelo contrário. O que eu gostava mesmo era de ver contraditadas as suas propostas. Ainda não vi ninguém fazer isso. Para terminar só alguém que pretende mudar isto a sério se empenha num combate como o dele desde que aos 16 anos foi detido pela pide. Se fosse mais um, com a capacidade que se lhe reconhece estava por aí bem instalado no poder. Bastava ser um prqueno oportunista.

     
  • At 8:01 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Fernando,

    Percebo o teu raciocínio e acredito que Louçã, em debates dentro do partido, seja diferente mas não é essa a imagem que tenho dele.

    Eu concordo que as rupturas são essenciais mas o discurso devia ser mais construtivo. Há sempre um ruído nos discursos de Louçã que atrapalha o conteúdo. E esse ruído é provocado pelo próprio já que tem sempre uma frase ou uma provocação sobre um pequeno ou grande fait diver bombástico ... umas férias dum deputado, o uso duma avioneta do Estado, um deslize num discurso, uma radicalização das questões sociais, uma perigosa generalização, entre outras. Por exemplo eu também sou a favor da liberalização do aborto mas achas que fico satisfeito quando vejo o BE a fazer campanha com T Shirts com a seguinte frase: "Eu já abortei"? Ou com a forma como faz generalizações sobre banqueiros e empresários? E há muitos outros exemplos...

    Se o currículo dele não viesse publicado eu, pelo que vejo e ouço, não acreditava! Eu gosto de políticos reformistas e corajosos, até aqueles que fazem da ruptura um modo de vida mas aprecio outro estilo, ou seja, algo que não dê tanta voz às capas do 24 horas sobre os salários de A e B, sobre os pequenos casos de justiça entre políticos, sobre se um secretário de Estado faltou ou não a uma reunião da Câmara (e por aí fora) mas sim às grandes questões nacionais. E acredito que Louçã tem essa capacidade, só não a usa da melhor forma, na minha opinião. Mas por detrás de toda a sua inteligência está um discurso por vezes radical e algo populista e é isso que me afasta do político, sem deixar de admirar o homem!

    Abraço,

     
  • At 8:03 da tarde, Blogger Ricardo said…

    P.S. Concordo que, se Francisco Louçã, quisesse tinha à sua disposição altos cargos na Função Pública dado o seu currículo. Abdicar disso por convicção ideológica é de louvar, mesmo que eu não seja adepto da forma como faz política.

     
  • At 11:35 da manhã, Blogger O Raio said…

    Caro Ricardo,

    É interessante comparar o curriculo de Louçã com o de Cavaco... este, apesar de uma imensa fama de grande técnico tem um curriculo científico muito pobre, o que não impede que muita gente ache que ele vai salvar a Nação devido exactamente, aos conhecimentos que não possui e, mesmo que os possuisse não os poderia utilizar.
    Mas Louçã chama-nos a atenção sobre um pormenor muito importante. A Economia não é uma Ciência exacta.
    A Economia é um conjunto de tecnicas para se implementar uma dada política.
    E, claro, Louçã tem opções políticas diferentes das do Cavaco portanto a sua Ciência Económica não propõe o mesmo que a do Cavaco propõe.

    Um abraço

     
  • At 5:12 da tarde, Anonymous JP Peixoto said…

    .... mas apesar desta realidade curricular, o "outro" é que é o Senhor Professor!....

     
  • At 10:22 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    porra, eu se fosse o joão miranda e os outros mentecaptos ultra liberais que andam aí pelos blogs a fazerem-se passar por detentores da "verdade económica", ficava um bocado perturbado com o curriculum do sujeito.
    mas eles têem uma boa desculpa: é o establishment de esquerda ( o banco de portugal, a sagres...) a funcionar em pleno.
    mombassa.kid@gmail.com

     
  • At 11:38 da tarde, Blogger rsd said…

    tenho uma teoria:
    algures, entre aqueles milhares de neurónios geniais do tipo, há um duende a tocar tambor.

     
  • At 1:54 da manhã, Blogger H. Sousa said…

    rsd: essa é ainda mais genial que os neurónios geniais! lol!

     

Enviar um comentário

<< Home