Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

quarta-feira, janeiro 11, 2006

702. O Expresso continua a ser um jornal de referência?

O Expresso parece que está a fazer um esforço voluntário para perder o epíteto de jornal de referência. Depois de um ano – o de 2005 – a publicar capas de duvidoso interesse e de "pequena política" resolveu finalizar 2005 com um título para causar polémica, ou seja, o de que Portugal tem um milhão de homossexuais. E como chegam a este número? É simples! Somam a percentagem de indivíduos que responderam ser homossexuais com os que responderam ser bissexuais e arredondam o número para 10%. Depois, apesar da amostra não ser representativa da nossa população, calculam que se há dez milhões de portugueses então um milhão é homossexual. Um exemplo de grande jornalismo!


Fotografia da Capa do Expresso

Este fim de semana - início de 2006 - a capa do semanário tem – em tamanho gigante – a fotografia acima reproduzida de um dos candidatos a fazer uma careta e a coçar sabe-se lá o quê. O título da reportagem é uma frase assassina e nada inocente: “É verdade. Arranquei tarde”! Parece que o Expresso quer alcançar, em qualidade, o Crime!

Convém referir que não concordo que os candidatos – como Mário Soares fez – culpem a Comunicação Social porque acredito que estes incidentes não devem ser sobrevalorizados nem os candidatos devem tentar arranjar bodes expiatórios. Se a campanha não está a resultar devem mudar de estratégia e não devem caír na tentação de criticar a imprensa. É um tiro no pé! Até porque a imprensa não tem que ser notoriamente imparcial! Basta que haja espaço e liberdade para existir vários tipos de linhas editoriais que cubram os diversos mercados ideológicos dos leitores. O que "choca" é que jornais que já foram de referência estejam ocupados a fazer "pequena política" e, como resultado, estejam a desperdiçar um processo duradouro de conquista da confiança e credibilidade pública!

Aconselho a leitura dum texto do Ruben (no Sítio do Ruvasa) – que não nutre simpatia política por Mário Soares – sobre este tema! Ler aqui

6 Comments:

  • At 12:26 da tarde, Blogger Platero said…

    Olá Ricardo

    Neste momento penso que os meios do Balsemão são tudo menos referência sendo a SIC o tempo de antena de Cavaco e a Visão e o Expresso os panfletos de campanha do mesmo.

    Por estas e por outras manipulações grosseiras da informação, deixei pura e simplesmente de comprar ou ver qualquer um dos media deste grupo, pois não dou dinheiro a ganhar manipuladores e facciosos.

    A democracia tinha muito a ganhar se as pessoas quando se sentissem enganadas deixassem de comprar este tipo de "produtos".

    Um abraço

     
  • At 2:16 da tarde, Blogger Zecatelhado said…

    Ó Ricardo, mas há muito que o "Expesso" deixou de ser um jornal de referência, meu amigo.

    Um @bração do
    Zecatelhado

     
  • At 4:52 da tarde, Blogger H. Sousa said…

    Esse coçar de cabeça do Soares o que será? Hipóteses:
    - 10%? Eh pá! Não será exagero?
    - 10%? Só?
    - Deixa cá ver se me lembro...
    - A coisa está preta...
    - O Cavaco vai me pagar caro por esta afronta! Mas como?
    - Ainda me hei-de vingar destes intrujões!

     
  • At 11:36 da tarde, Anonymous Carlos Indico said…

    O Expresso está a posionar-se como um meio "intelectualizado" do METRO e do DESTAK, para não dizer do DICAS ( simplesmente o maior diário deste país). O peso do papel é uma vantagem para os parvos, mas é apenas muita publidade ( sem o BES, um arrufo para credibizar os leitores). Lê-se , tem matéria sim ,- mas á moçambiquano: desimportante. O Bochechas tem razão, sempre acreditou na Amizade, mas o Pinto B. não pode ir por aí, mas ao menos ponha na manchete: EU SOU PELO CAVACO, MAS OS MEUS EMPREGADOS NÃO TÊEM CULPA!.
    Enfim.....

     
  • At 11:59 da tarde, Blogger a.castro said…

    Expresso: referência e credibilidade que Balsemão não tem pejo em deitar ao lixo em altura de eleições. E nestas presidenciais tem sido escandalosamente parcial (o jornal e a estação). É verdade que não adianta fazer queixa. Há dias a Sic, respondendo a críticas de Mário Soares, rematou: críticas que, como se vê, o candidato vê aqui apresentadas (mais ou menos isto).
    Abraço,

     
  • At 11:51 da manhã, Blogger JFS said…

    O Expresso tem vindo a perder qualidade e independência de semana para semana, inclusivé na revista Única, onde agora nos sugerem consultar a programação da TV no site do jornal, após a supressão do cartaz semanal.

    Deve ser um produto que devo deixar cair este ano de 2006.

    Um abraço,
    JFS

     

Enviar um comentário

<< Home