Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

domingo, janeiro 15, 2006

709. Mário Soares no Coliseu do Porto


Mário Soares e José Sócrates no Coliseu do Porto

Eu não podia deixar de estar presente no último combate do "velho leão"! Nunca fui militante de nenhum partido, nunca obtive vantagens de qualquer tipo com a política e nem o que me move é o cheiro a vitória. Acima de tudo tenho uma ideologia, não sou neutro nem divorciei-me do futuro de Portugal. E não tenho pudor em afirmar que Mário Soares foi um dos políticos que moldou a minha forma de ver o mundo.

Estive presente no comício do Coliseu do Porto e assisti a tudo o que me faz estar descrente da política e a tudo o que me apaixona dela. As romarias em autocarros, as bandeiras distribuídas generosamente, os brindes, os cartões de bom ano fazem parte do jogo da política. São vazios em significado e em nada contribuem para a discussão do nosso futuro colectivo. Qual é o interesse último na contagem do número de cabeças numa sala?

Antes da entrada dos protagonistas da noite o mote estava dado: queremos ser mobilizados pela positiva e não assustados! Esta frase revela, ao mesmo tempo, tudo o que separa Soares de Cavaco e tudo o que falhou na campanha de Soares. José Sócrates entra em cena e, numa mistura de papeis, fala como Secretário Geral do PS e como Primeiro Ministro. Fala em voto natural do eleitorado do PS, eu ouço mas não registo. Fala que o Presidente da República não deve tomar partido nem do Governo nem da oposição porque é um árbitro, eu penso para os meus botões que há um candidato que nunca vai perceber isto. Fala, por fim, nas qualidades de Mário Soares, e eu revejo-me nesta fase do seu discurso.

Chega a hora de Sócrates dar lugar à estrela da noite! É aqui que surge o momento mais cómico - e irónico - da noite. Mário Soares ampara Sócrates e ajuda-o a sair do palco. Chega a hora de Soares discursar. É impressionante - mas nem sempre positivo - como Soares não recorre a nada sem ser a sua memória. Não há cábulas, nem apontamentos, nem teleponto. Por isso, por vezes, Soares escorrega quando diz "Não às escutas" mas depressa acrescenta "As escutas telefónicas devem ser uma excepção e não uma rotina"! Foi o único candidato que disse que o grave não é quem é ouvido mas o facto da reserva da vida privada estar em jogo. Depois revejo-me nas suas palavras sobre a imigração, sobre a União Europeia, sobre a natureza do cargo a que é candidato, sobre uma nova cultura empresarial, sobre as suas qualidades. E nem uma palavra sobre os adversários e, como sempre, nem uma nota de pessimismo porque, como Soares sublinhou, não há razões para não acreditarmos que somos capazes de ultrapassar os obstáculos! E, mais importante, o sucesso de Portugal só depende de nós próprios!

Como disse, não podia deixar de estar presente no último combate do "velho leão"!

6 Comments:

  • At 11:12 da manhã, Blogger polittikus said…

    Opções... Creio q sabes qual é a minha.

     
  • At 11:32 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Polittikus,

    Escusado é dizer que o importante é mesmo isso, ou seja, poder optar!

    Um bom resto de fim de semana,

     
  • At 12:35 da tarde, Blogger Ruvasa said…

    Viva, Ricardo!

    Não vou desejar-te sorte, nem rogar-te a praga do azar.

    Como sabes, a coisa é-me indiferente. Não por ti nem por outro qualquer blogamigo, evidentemente, mas por tudo quanto está em jogo. E o que está em jogo - não somente agora, mas sempre - é o País, que, de passo em passo, está a ser levado para o abismo, por esta geração de políticos (que não apelido de rasca por questão de atitude...), até que alguém - sei lá quem! - lhes ponha travões a fundo, os exonere - a eles, sim! - e os substitua por gente de outro gabarito, com ideias mais amplas e, sobretudo, mais arejadas.

    Para bafio e incapacidade de regeneração, já chega!

    Abraço

    Ruben

     
  • At 12:48 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Viva Ruvasa,

    Como muito bem sabes a tua presença neste espaço é sempre uma honra!

    Eu nunca escondi a minha ideologia e nunca tive medo de tomar opções! Mas nenhum partido ou candidato é dono da forma como penso e como tenho vincada a minha ideologia e isso sempre deu-me a liberdade para não votar sempre igual e numa camisola no círculo onde voto, na Madeira!

    É também por isso que compreendo a tua indignação perante este ar que não promete regeneração. Compreendo e, em certa medida, até identifico-me com essa posição. Discordo, porém, que esta geração que concorre nestas eleições seja pior que a seguinte. E digo com mágoa que dependia da nova geração, e não desta, a responsabilidade de ter a coragem de se terem candidatado.

    Quanto à minha opção ela é clara mas, confesso, não é a mais convicta que vou ter entre as inúmeras vezes que já votei! É simples explicar que, durante toda a minha vida política, identifiquei-me com as posições ideológicas de Mário Soares e acho que este teve um papel - discutível sim - mas importante na nossa história. Mesmo actualmente revejo-me na sua visão do país e do mundo. Nas questões da UE e da Globalização, no entendimento da economia (não estou a dizer que é uma visão técnica), nas questões da imigração, no entendimento do cargo de PR, entre outras! Tudo isto independentemente do seu rigor - ou falta dele - na condução desta ideiologia!

    De qualquer forma faço votos, como tu, para que Portugal tenha melhores dias...

    Abraço e bom resto de fim de semana,

     
  • At 3:51 da tarde, Blogger H. Sousa said…

    Olá Ricardo:
    Pois está bem! Cada um apoia quem acha que merece o seu apoio. Como sabes, tenho sido abstencionista desde há bastante tempo. Agora vou contribuir para tentar travar o avanço de uma direita economicista e corrupta (apoiada também por Sócrates).

    Soares a ajudar Sócrates que, tal como a maioria dos parolos novos-ricos, vai fazer férias na Suiça sem nunca ter andado de Sky. Risível, de facto.

    Ricardo, a frase com que iniciaste o post: «Eu não podia deixar de estar presente no último combate do "velho leão"!» não é, quanto a mim, muito feliz. Olha que o meu pai tem 86 anos, ainda trabalha e acabou de escrever o seu último livro. Credo! Ele vai escrever muitos mais.

    Desculpa, mas o TNT é assim. Pão-pão, queijo-queijo.

    Abraços

     
  • At 4:24 da tarde, Blogger Ricardo said…

    TNT,

    Vou começar por substituir, no comentário, "último combate do 'velho leão'" por "último combate político do 'velho leão'"! E, mesmo assim, para já!

    E desde já congratulo o teu pai por não ter decidido "ganhar pó" e continuar a trabalhar.

    Quanto a Sócrates as minhas críticas políticas estão bem claras no texto mas reafirmo o que já disse várias vezes, ou seja, as férias deste pertencem à sua esfera privada desde que não sejam pagas por terceiros que tenham negócios com o Estado. Mas foi claramente um momento de humor Soares, com 81 anos, ajudar Sócrates a andar...

    Abraço e um bom resto de fim de semana,

     

Enviar um comentário

<< Home