Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

segunda-feira, outubro 09, 2006

917. Filosofia Barata: Grão de Areia no Universo (3)

Textos anteriores:
908. Filosofia Barata: Grão de Areia no Universo (1)
909. Filosofia Barata: Grão de Areia no Universo (2)




Subscrevo a teoria que Carl Sagan explicou num dos seus livros. Se extrapolarmos que o universo tem um ano – desde o Big Bang até hoje - então a existência do homem representa, em proporção, bem menos do que um segundo desse ano. Podemos afirmar, à luz desta teoria, que o homem, na continuidade do tempo (duração limitada, por oposição à ideia de eternidade), é uma mera nota de rodapé. Se a este pensamento adicionarmos a ideia que o intelecto do homem, pelo menos neste estágio da evolução, é limitado no sentido em que não tem capacidade para resolver simples equações matemáticas sem a ajuda de acessórios ou, muito menos, de compreender o universo então é uma enorme desilusão se nós – homo sapiens – formos tudo o que este universo (conjunto de tudo quanto existe) tem para oferecer, ou dito de outra forma, se formos o zénite das formas de vida. Será que na sua imensidão e complexidade o universo – ou um qualquer deus, na opinião dum homem religioso – não foi capaz de originar formas de vida com maior capacidade de compreensão do que lhes rodeia? Felizmente acredito, de forma infundada e apenas especulativa, que o homem não é o zénite das formas de vida...

Há quem discuta o que é a “vida”. Este conceito não é consensual e, no campo científico, discute-se se até as estrelas não devem ser consideradas como seres vivos. A “vida” não tem que ser consciente nem pode ser padronizada mas tem sempre um início e um fim e nós, uma forma de vida aparentemente limitada, devíamos ter outra visão da nossa existência. Mesmo que hajam perspectivas razoáveis que vamos evoluir, como espécie, para formas de vida mais complexas não podemos perspectivar se a nossa espécie vai ser viável, ou melhor, qual o limite temporal da viabilidade da nossa espécie. Até agora apenas sabemos que “existimos” há muito pouco tempo – no horizonte temporal do universo – e que evoluímos de certa forma e que vamos evoluír de uma outra qualquer forma que, para já, desconhecemos. Pouco mais sabemos. Mas, apesar de todas as incertezas, insistimos em, de forma até fanática, defender certezas e, cheios de razão, embarcamos em guerras que representam a luta entre visões da “vida” que um ser superior supostamente defende. A religião, do meu ponto de vista, deve ser encarada como uma questão de fé, que deve ser respeitada e não imposta e, acima de tudo, não deve ser motivo para conflitos que nunca vão ser ditados pela razão. Infelizmente se uma das religiões, que não seja a nossa, ameaça propagar-se para a nossa vizinhança isso é encarado como uma ameaça para o nosso investimento mais valioso, ou seja, para a perpetuação da “vida após a morte” que, arrisco dizer, "construímos" e que insistimos em acreditar por pura fé.

Pessoalmente não consigo sentir essa “fé”. Como posso acreditar num deus – ou deuses – cuja suprema criação é o homem? Partindo do pressuposto que o homem não evoluíu de formas de vida ainda mais “primitivas”, pressuposto esse difícil de engolir, como é possível que tudo o que existe, na sua maravilhosa complexidade, esteja reduzida ao homem? Prefiro acreditar que somos uma pequena peça duma engrenagem bem mais complexa, inacessível ao nosso raciocínio e que há um “mundo” de infinitas possibilidades de evolução para nós ou para qualquer outra espécie. Nós somos um elo dum fluxo, elo esse que liga o passado ao futuro mas que é limitado temporalmente, fluxo esse que transporta a “vida” para formas cada vez mais adaptadas e complexas. Acredito que há um número infinito de fluxos, por todo o universo, que conduzem tudo e todos no sentido da descoberta. É só pena sermos um grão de areia no universo...

2 Comments:

  • At 12:53 da manhã, Blogger João Dias said…

    Bom texto.

    "como é possível que tudo o que existe, na sua maravilhosa complexidade, esteja reduzida ao homem? Prefiro acreditar que somos uma pequena peça duma engrenagem bem mais complexa, inacessível ao nosso raciocínio"

    Acho que posso subscrever grande parte.
    Acho que na complexidade das coisas que desconhecemos, e isso implica que possamos desconhecer a simplicidade das mesmas, tentamos sempre a aproximação à realidade e por muito que ela seja divergente da por nós percepcionada, parece que conseguimos alguma interacção.
    E enquanto embarcamos nesta escalada de dúvidas e incertezas sabemos que também há quem dê respostas, que saiba tudo, ou que diz conhecer quem saiba tudo...mas os loucos somos nós...os que quetionamos.
    Talvez o erro dos erros é pensar que podemos dominar uma realidade que não a nossa, que podemos ter a percepção do mundo sem referencial. A realidade, aquela que não tem espaço, nem tempo, nem condiciontes humanos, essa é-nos estranha, mas ao admitir que não a vislumbramos translúcida acabamos por tomar a posição mais próxima da realidade que conhecemos.
    Será que existe alguma realidade que falemos que não seja humana, ou seja sendo nós os interlocutores da razão e das palavras que substituem a realidade inatengível...podemos fazer de conta que vemos tudo com os olhos de um Deus (que também é só uma palavra)?

     
  • At 3:59 da manhã, Blogger O Raio said…

    Confesso qua a teoria do Big Bang sempre me desagradou e, é com uma certa alegria que vejo cientistas a colocarem-na em dúvida ou, pelo menos, a quererem que se alargue a investigação a teorias alternativas ao Big Bang.
    É que isto do universo ter um início parece-me absurdo, soa-me a religião, isto é, soa-me a uma tentativa de dar uma explicação científica ao acto da criação divina.
    Um Universo que sempre existiu e sempre existirá, um Universo em que tudo o que seja fisicamente possivel já aconteceu uma infinidade de vezes, um Universo em que a nossa existência em relação à infinidade dos tempos é zero conforta-me muito mais do que um Universo que partiu de um ponto de massa infinita que existia antes dos tempos pois, o próprio tempo só começa no Big Bang, um Universo formado em mais de metade porb uma matéria negra que nos é invísivel e indetectável e também com uma energia que na sua quase totalidade também é indetectável.
    Em suma, o Big Bang é uma solução muito pouco elegante e que não resolve nenhum problema, antes pelo contrário, lança muitos outros.

     

Enviar um comentário

<< Home