Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

terça-feira, dezembro 19, 2006

947. País de Remediados

Os dados económicos mais recentes do Eurostat sobre Portugal são, no mínimo, alarmantes. Continuamos numa espiral de divergência em relação à Europa e ao Mundo e, pior, a tendência é de estarmos cada vez mais próximos da cauda da tabela dos países da União Europeia.

A Eurostat mostra, em primeiro lugar, que a União Europeia está a divergir - no Produto Interno Bruto (PIB) à Paridade do Poder de Compra (PPC) - dos Estados Unidos da América e do Japão. Se a União Europeia já está a divergir que dizer de Portugal que diverge da União Europeia?

Estes números deviam mexer, no mínimo, com a nossa auto-estima. Será que não somos capazes de fazer melhor? Este devia ser o primeiro sentimento perante uma tendência descendente que se revela crónica, em termos comparativos. Não quero minimizar os sinais recentes de retoma da nossa economia mas devemos ficar satisfeitos? Não contínuamos a divergir? Ou queremos ser um país de remediados?

O rol de culpados desta situação vai ser, aposto, em todos os portugueses, eu incluído, o cidadão do lado. Ninguém vai sentir que está aquém do seu potencial. A culpa vai ser do Euro, do Governo, dos políticos, dos empresários, dos gestores, dos trabalhadores, dos sindicatos, dos vizinhos. Concordo que tem lógica apontar o dedo a muitas situações mas não nos podemos esquecer que, como povo, estamos muito aquém do nosso potencial. Ser português tem que ser sinónimo de inconformismo e não posso aceitar que se olhe, ano após ano, para estes números com naturalidade. (Continua)

4 Comments:

  • At 9:02 da tarde, Blogger Rui Pedro said…

    Para utilizar o jargão dos economistas estamos a sofrer dois choques fortíssimos: a globalização que nos abre as fronteiras às importações e a prisão de uma divisa que não controlamos (enfim talvez controlemos um milionésimo dela). Mas concordo consigo: a resignação é proíbida - aliás foi o que dizia o Presidente da República durante a campanha eleitoral.

     
  • At 9:52 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Rui,

    O Euro não pode ser o bode expiatório dos nossos males. Quanto muito colocou a nú as nossas fragilidades. O problema é que os nossos produtos, expostos a um mercado mais aberto e mais global, revelaram-se pouco competitivos.

    Quanto ao nosso PR é só pena que não tenha tido, enquanto PM, a visão e o rigor que o país necessitava nessa fase.

    Abraço,

     
  • At 1:03 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    UM SANTO NATAL E QUE 2007 SEJA DE FACTO UM "ANO ÍMPAR"... :-)

    São so votos do

    o-microbioii.blogspot.com

     
  • At 7:54 da tarde, Anonymous Konrad said…

    Ricardo,

    os "produtos" Portugueses podiam ser muitissimo competitivos no mercado alemão - por exemplo em lojas próprias.
    Mas tambem nas cadeias de lojas, supermercados, centrais etc.

    Simplesmente não há "produtos" Portugueses.
    "Aluga-se Trabalhadores" é a unica oferta Portuguesa -é claro em concorrencia com China.

    Os alemães -os compradores centrais- nunca receberam uma oferta de um produto oriunda de Portugal.

    Um "produto" é como na matematica o resultado de varios "factores".

    Embalagens, Display, Certificações, regras logisticas, support de publicidade, ideias-novas-proprias, sistema (e contratos) de ser fornecedor contratual e mais....nada disso interessa um "industrial".

    Não acredita ?
    Peço o favor perguntar aos transitarios: "quem paga o transport"

    O Ricardo vai ver, que a mercadoria chega a propriedade do comprador (middleman)ainda em solo portugues.
    Afinal quem manda/controla/paga/faz a "exportação" ?

    liga pelo telefone para: http://www.katag.de fala com o comprador se ele/ela jamais comprou directamente (!) de uma empresa portuguesa ou pelo menos conheçe só uma !

    Ricardo, posso provar, que produtos portugueses são muitissimo competitivos por varias razões !
    Mas ninguem quer saber.....

    Abraço, bom natal
    Konrad

     

Enviar um comentário

<< Home