Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

sábado, junho 11, 2005

448. Mais um prego na credibilidade dos políticos




Eu fico preocupado quando ouço o nosso antigo Ministro das Finanças, Bagão Félix, criticar o Governador de Portugal por este ter optado por calcular o valor previsto do défice às centésimas. Eu já desconfiava que ele gostava mais de tratar os números com pouco rigor...

Adicionalmente descubro que o Conselho de Ministros de Santana Lopes já sabia que o problema orçamental estava bem mais grave do que parecia. Então resolveram votar se divulgavam ou não o número. Com excepção de três ministros (salvo erro) o discurso oficial do Governo era o de ir ao encontro dos números de Ferreira Leite.

Conclusão 1: O problema orçamental agravou-se na gestão de Durão e Santana;

Conclusão 2: O Conselho de Ministros já vota o valor do défice que vai divulgar e protege ou crucifica os políticos que os antecederam conforme os partidos a que estes pertencem.

8 Comments:

  • At 6:17 da tarde, Anonymous C. INDICO said…

    Só se pede um resquicio de pudor a muito politico, para bem da sanidade mental deste pobre povo.Não apareçam, não falem e mais do que isso,... se tiverem que aparecer na TV não sorriam.A mim que ainda há dias vi o Bagão, considerei que nos estava a tomar como ignaros e parvos.

     
  • At 7:10 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Viva, C. Indico...

    Estamos a viver tempos de enorme desconforto com a classe política. Sinto-me não representado e tenho cada vez mais a sensação que se mente deliberadamente.

    Apesar do mau começo deste Governo nesse aspecto, eu espero que a coerência das medidas (que na generalidade concordo) restitua alguma da confiança perdida. Mas não ponho a mão no fogo, ainda por cima depois da subida dos impostos indirectos.

    Abraço,

     
  • At 1:23 da manhã, Blogger O Raio said…

    Em todas as medições há sempre uma margem de erro. Calcular um deficit previsto, mesmo às decimas é um pouco ridículo pois a margem de erro é, de certeza, largamente superior a uma décima.
    às centesimas, nem sequer é ridículo, só prova é a incapacidade técnica de quem o faz. Aliás, a Ferreira Leite já o tinha feito e foi criticada por isso.
    Este cálculo é semelhante ao de uma família que ganhe 400 contos por mês (5.600 por ano) e calcule quanto vai gastar até ao fim do ano com uma margem de erro da ordem dos 500 escudos!

     
  • At 9:21 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Raio,

    Tens razão em achar que os 500 escudos fazem pouca diferença no quadro geral mas quando me encomendam um trabalho técnico e eu alcanço determinado valor porque é que vou arredondá-lo?

    O que me fez confusão era Bagão já saber que o défice estava bem pior do que em 2001 e ter optado por insistir que aquela política estava a trazer resultados positivos. E acho que a recente divulgação da votação no Conselho de Ministros sobre que valor divulgar é surrealista.

    Abraço,

     
  • At 5:10 da tarde, Blogger O Raio said…

    Ricardo,

    "quando me encomendam um trabalho técnico e eu alcanço determinado valor porque é que vou arredondá-lo?"

    Porque é cientificamente correcto arredonda-lo!
    Acho que deves ser economista e um dos principais problemas dos economistas é não terem formação em cálculo numérico e teoria dos erros.
    Se fosses paleontologista e fosses determinar a idade de um esqueleto por meio do Carbono 14 e chegasses a 1.234.156 anos, 7 meses e 5 dias, ías publicar este resultado? Claro que não, ías determinar qual a margem de erro do cálculo e entravas em conta com esta margem de erro. Isto é, se fosse, por exemplo, de 10%, portanto 120.000 anos, publicavas que a idade do esqueleto era de 1.200.000 anos.
    No caso do trabalho do Vítor Constâncio acho que o máximo que ele poderia indicar era que o deficit se situaria entre 6 e 7 por cento. Acho difícil ter uma precisão superior a esta.
    Mas se o publicasse até às decimas, vá lá... mas agora às centesimas! Qualquer pessoa que tenha o mínimo de conhecimentos de calculo numérico e teoria dos erros (até já leccionei esta cadeira) faz o mesmo que eu, ri-se e passa um bocado a insultar a inteligência do Senhor Vítor...
    E, claro, o trabalho do senhor Vítor perde toda a credibilidade...

    Um abraço,

     
  • At 7:20 da tarde, Anonymous C. INDICO said…

    Esta história das centésimas, que por mim não tem importancia nenhuma, faz-me lembrar quela em que:
    -O Coronel Jonh Grant da 3ª Com. de Cavalaria Yanque estava a preparar-se numa pradaria do Arkansas para enfrentar os Apaches comandados pelo Bufalo Sentado.
    -Como não sabia quantos redskins eram mandou o clarim subir a uma colina para avaliar.
    - O clarim foi,olhou,correu para o Coronel e disse:
    -Sir, são mil e um !
    -Mil E UM????
    -Sim, um áfrente e uns mil atrás!

     
  • At 7:52 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Raio...

    As centésimas, neste caso, representam valores elevados. Mas eu também acho essa discussão sem nexo. A questão principal e mais grave, para mim, é Bagão ter feito um orçamento completamente irreal com base em mais de 3,5% de receitas extraordinárias (segundo as contas de Bagão) e já haver votações entre ministros para ver que valores revelam como se o défice fosse algo elástico.

    Abraço,

     
  • At 7:54 da tarde, Blogger Ricardo said…

    C. Indico...

    A história está hilariante! O principal é que o défice está alto, sejam 1000 ou 1001 homens, concordo!

    Abraço,

     

Enviar um comentário

<< Home