Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

sábado, junho 11, 2005

449. Alguém estava à espera de resultados diferentes?

Após dois países (e mais um) terem “morto” o tratado alguém fica surpreendido que quando se pergunta se é a favor do dito documento o resultado das sondagens seja este?

Portugal:
Sim 50,8%
Não 49,2%

República Checa:
Apoiam 31,5%
Rejeitam 33,7%
Indecisos 34,8%

Dinamarca:
Sim 30,8%
Não 39,5%
Indecisos 29,7%

Suécia:
Sim 23%
Não 41%
Indecisos 36%

Alguém ainda tem dúvidas de que este exercício é puro masoquismo? Enterre-se o que já morreu, nem que seja por uma questão de sobrevivência e bom senso...

Fonte: Expresso e Margens de Erro

8 Comments:

  • At 7:25 da tarde, Anonymous Menina_marota said…

    Não queria falar de política hoje, mas estou completamente de acordo!

    Mas será que haverá bom senso? Ou cobardia?

    ;-)

     
  • At 1:18 da manhã, Blogger O Raio said…

    A Constituição Europeia é um passo fundamental na continuação da integração europeia.
    Sem ela o sistema pára e nós, na Europa, podemos respirar e pensar.
    E se o fizermos o projecto imperialista do Super Estado Europeu está morto.
    Os adeptos deste SEE recusam-se a admitir isto e recusam-se a parar.
    Não duvido de que serão os coveiros do SEE.
    Por mim têm o meu apoio...

     
  • At 9:31 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Menina Marota,

    Obrigado pela visita. Espero que continues a aparecer.

    Sem estar a falar muito de política diria que o problema é uma mistura de cobardia com falta de bom senso pois aquele documento foi o resultado de meses de cuidadas negociações. Todos sabem que é difícil chegar a novo compromisso entre os governos dos 25 países que seja tão completo como este.

    Um Beijo,

     
  • At 9:33 da manhã, Blogger Ricardo said…

    Raio,

    Eu concordo que chegou a hora para reflectir e parar.

    Mas eu gostaria que este processo não ferisse de morte a UE porque é possível fazer algo de bom a partir do que temos agora e muito dificilmente um novo tipo de integração viria a tempo para enfrentar os problemas actuais de competitividade global.

    Abraço,

     
  • At 4:45 da tarde, Blogger O Raio said…

    Ricardo,

    O que nasce torto nunca se endireita.

    É óptimo que este processo enterre definitivamente a UE porque a UE nasceu anti-democrática e nunca respeitou a democracia.

    Querer salvar esta UE porque acreditamos numa Europa unida é tão errado como querer salvar a europa hitleriana porque queremos uma Europa unida.

    A UE nunca será um espaço de paz e leberdade, não foi para isso que foi criada...

    Um abraço,

     
  • At 7:47 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Raio...

    Como calculas não me revejo nem nas palavras em que colocas em questão a liberdade na Europa nem as comparações que fazes. Por isso continuo a acreditar na UE...

    Abraço,

     
  • At 5:01 da tarde, Blogger O Raio said…

    Ricardo,

    Começo a admirar a tua coerência cunhaliana.
    Nada abona em favor da actual União Europeia, nada indica que ela é democrática ou tenda a evoluir para a democracia, nada indica que deva ser salva do caixote de lixo da História.
    Mas tu acreditas piamente numa Europa forte e unida, qualquer que ela seja pois, mesmo que seja uma espécie de Madeira à escala continental, acreditas que ela encerra as sementes da evolução democrática.
    E, é aqui que os nossos entendimentos acabam...
    Eu concordo que tenho muitos defeitos, um dos quais uma certa inflexibilidade, quando tenho a certeza de que tenho razão não hesito em ir para a guerra.
    E é o caso actual, a UE não é democrática, a UE nunca foi democrática e nada indica que tenda a evoluir para um ambiente minimamente democrático.
    Mais, essa evolução é impossível pois só pode haver democracia com uma opinão pública e não há opinião pública europeia.
    Assim a estratégia correcta é combater o monstro antes que ele se desenvolva ainda mais.
    Esta é a minha estratégia, a do combate sem tréguas.
    A tua é diferente, é a de fazer festas no monstro e tentar convencê-lo a ser mais democrático...
    A História mostra que a tua estratégia está errada.

     
  • At 7:06 da tarde, Blogger Ricardo said…

    Raio,

    Admito que essa da coerência cunhaliana deve ser um sinal dos tempos. Mas não deixa de ser engraçada!

    Não sejas totalitário nas tuas afirmações nem abuses da presunção e água benta. A História está repleta de projectos falhados (no limite todos falham) mas que serviram os seus objectivos em determinado contexto. Não me lembro de melhor contexto para termos uma UE. Pode não ser verdade amanhâ mas hoje a Europa necessita de blocos comerciais e políticos para fazer face às mudanças mundiais.

    Eu confesso que fico surpreendido com as tuas declarações sobre a democracia na Europa. Será perfeita? Longe disso! Mas considero que é a região do mundo onde actualmente mais se respira liberdade. As Democracias estão todas em crise e a começar nos países. Achas que as pessoas são ouvidas ou representadas nos EUA, na Inglaterra ou mesmo em Portugal? Há uma crise de representação global. Mas a UE nem está pior nem melhor. O Parlamento é eleito pelos cidadãos e o Conselho é constituídos pelos representantes nacionais. A Comissão emana destas duas instituições. No máximo o que podes dizer é que te representam mal a nível nacional mas não tenho verificado uma subida de votos nos partidos anti europeus, pelo menos para já, em Portugal. Eu estou no local do planeta onde mais se respeitam os direitos individuais e de consumidor. Disso não tenhas dúvidas.

    Tu partes de pressupostos questionáveis e depois determinas sentenças históricas. Nem concordo com o teu diagnóstico nem com a tua cura. Tu ainda não deves ter reflectido bem o que seria de Portugal fora da UE. Além de ter de continuar a seguir as mesmas políticas ia ter uma série de indicadores económicos a dificultarem essa tarefa. Os preços da moeda e dos bens iam dificultar ainda mais a tarefa portuguesa e os empresários portugueses. Provavelmente o arrefecimento das trocas comerciais ia ser benéfico para que as empresas ganhassem espaço de manobra mas se a globalização se mantivesse ainda iam ser menos competitivos numa futura expansão das trocas comerciais.

    Tu vives da miragem que podemos fazer acordos bilaterais num mundo que já não está nessa escala. Íamos ter exactamente as mesmas dificuldades com os texteis chineses, os carros japoneses ou as bananas latinas. Depois Portugal sair da UE era o fim do (pouco) IDE que ainda temos. Provavelmente isso era o fim de milhares de empregos e alguns pontos percentuais do PIB.

    O que corre bem tu tomas por adquirido, o que corre mal a culpa é da UE. Eu faço o contrário. E que tal nos rendermos a um meio termo?

    Abraço,

     

Enviar um comentário

<< Home