Filho do 25 de Abril

A montanha pariu um rato - A coerência colocada à prova - A execução de Saddam Hussein - O Nosso Fado - "Dois perigos ameaçam incessantemente o mundo: a desordem e a ordem" Paul Valéry, "Quando eu nasci, as frases que hão-de salvar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa, salvar a humanidade", Almada Negreiros - "A mim já não me resta a menor esperança... tudo se move ao compasso do que encerra a pança...", Frida Kahlo

sábado, novembro 19, 2005

629. Sala de Cinema: Flightplan




Realizador: Robert Schwentke
Elenco: Jodie Foster, Peter Sarsgaard, Sean Bean

Não vou perder muito tempo a analisar este filme porque também há muito tempo não assistia a um filme com um argumento tão surreal. O principal motivo que me levou a comprar um bilhete para este filme era o de Jodie Foster ser uma garantia de qualidade mínima na escolha de papeis mas, apesar da sua representação estar a um nível aceitável, a tal qualidade mínima não se verificou.




Como em qualquer produção dum grande estúdio americano não há nada a apontar tecnicamente ao filme e não se pode dizer que o filme tenha sido absolutamente mau desde o seu início. O problema é que o argumento dá tantas cambalhotas inverosímeis que chegamos a um ponto em que já nem percebemos quais são as motivações das personagens. Há pormenores desde o início do filme que não são verosímeis mas para não ser radical fui negligenciando a sua importância. Mas a partir de certa altura as incongruências eram tão grandes que não consegui reconciliar-me com o filme. Como compreender que inúmeros serviços de terra colaboraram nesta conspiração a bordo? Que lógica há em que uma ameaça num avião seja gerida duma forma completamente diferente em cada novo acontecimento? Que lógica há na reacção dos passageiros durante e após a resolução do incidente? É melhor nem tentar analisar o que não respeita minimamente a inteligência do espectador.

Síntese da opinião: A evitar! Nem para os fanáticos da carreira de Jodie Foster...

1 Comments:

Enviar um comentário

<< Home